Olá viajantes!!

Hoje, finalmente, volto com a seção Viajantes, onde apresento a vocês, por meio de uma entrevista, pessoas para as quais viajar é um modo de levar a vida. E não poderíamos ter um retorno melhor.

A viajante que trago hoje é a jornalista Glácia Marillac. Ela já tinha dado uma palhinha para a gente com o belíssimo texto “O Caminho:Trilha Inca no Peru“. Na ocasião, a apresentei como “uma pessoa de um coração lindo, com uma grande preocupação com o social e o espiritual, uma ‘alma boa’ como se diz”.

Não é bajulação! Quem conhece sabe que Glácia tem um dom raro das pessoas que sabem viver. E um dos segredos para isso é que ela faz tudo com dedicação e paixão. E é assim também com as viagens. Aliás, isso é algo que diferencia os viajantes dos turistas. Os viajantes viajam porque amam fazê-lo e não apenas porque estão de férias.

Bem, vamos a entrevista! 

Compartilhe Viagens: Quando você se reconheceu uma viajante?

Glácia Marillac: Sinceramente? Acho que desde o momento em que tive de correr muito para fecundar o óvulo da minha mãe…

Pergunta de praxe: Quantas cidades e países você já visitou?

Meu Deus, já viajei tanto, tanto, que perdi as contas. Pensei até em guardar os canhotos das passagens, mas nunca lembrava e, com esta de e-ticket,  aí piorou ! Das 26 capitais do Brasil faltam 6: Acre, Amapá, Mato Grosso do Sul, Pará, Tocantis, Rondônia e Roraima.  Quando vou a um Estado gosto de conhecer bem além das capitais, por isso não tenho nem idéia do número de cidades onde já fui. Quanto aos continentes, faltam o africano e a Oceania e de todos os países que conheço os locais mais marcantes foram a Índia, o sul da Argentina (Patagônia), o Peru (Trilha Inca) o México (relíquias Maia), a Inglaterra (Glastonbury), Thailandia (templos budistas), Singapura (desenvolvimento econômico) e Cannes na França.

Glácia no Parc Guell,em Barcelona
Glácia no Parc Guell,em Barcelona

De todos esses lugares, em qual você viveria?

Poderia passar um tempo na Inglaterra, na Índia, no Peru, em Singapura, na França ou aonde o universo quisesse me levar  e coubesse também minha filha e meu marido. Só peço que ele nos traga de volta à Natal, porque viajar e até morar algum tempo fora é ótimo, mas voltar para a terrinha que escolhemos e onde está nossa família, é melhor ainda.

O que você busca em uma viagem?

A liberdade de poder fazer parte de uma realidade que não é a minha, respeitando e sendo respeitada. Busco, a leveza de poder voar para outros territórios, mesmo não tendo as belas asas das gaivotas.

Alimentando pombos, em Buenos Aires
Alimentando pombos, em Buenos Aires

Ao longo desses anos de viajante, você deve ter aprendido muito. Qual desses aprendizados você levará para a vida toda?

Que temos de fazer como os rios: contornar os obstáculos do caminho e seguir em frente sempre certos de que “ tudo vale a pena se a alma não é pequena!’

Das culturas que você já teve contato e conheceu, por qual você teve mais admiração? Teve alguma que lhe causou estranheza?

A cultura indiana, sem dúvida nenhuma é a mais impressionante. Ou você ama ou odeia! Eu estranhei muita coisa mas de alguma forma, amei tudo que vi!

Viagem em grupo ou sozinha?

Sozinha ou em grupo, viajar é o que importa. Na maioria das vezes viajamos eu, meu marido e minha filha sozinhos, mas não temos preconceito com nenhuma outra forma de navegação.

Glácia, Rogério e Helena na barriga, em Buenos Aires
Glácia, Rogério e Helena na barriga, em Buenos Aires

O pensador americano Mark Twain disse que em uma viagem você pode descobrir se ama ou odeia uma pessoa. Você já passou por uma situação difícil com um companheiro de viagem?

Claro, quando a gente viaja em grupo, sempre tem alguém que espera que tudo seja perfeito e se qualquer coisa der errado, fica mais pesado do que a mala que carrega. Aí o jeito é tentar neutralizar essa energia e continuar curtindo a viagem, fazendo como o rio…. Felizmente tive pouquíssimas experiências deste tipo, na maioria das vezes ,como ocorreu em viagens  que fizemos aqui no Brasil e na Europa com familiares e amigos, tudo dá super certo mesmo que dê errado… rsrsrss !

O que não pode ficar fora de um roteiro de viagem?

A tranqüilidade de, se necessário, mudar de roteiro numa boa, com a leveza de um verdadeiro viajante!

O que um viajante não pode deixar de levar em sua bagagem?

Os documentos pessoais e àqueles necessários para assegurar seu direito de ir e vir como ordena a burocracia mundial. De resto, coloque o mínimo necessário e se prepare para trazer o máximo permitido!

Que história de viagem mais lhe marcou e que você quer contar aos seus filhos (por enquanto, só Helena) e netos (quando os tiver)?

Nossa, são muitíssimas. Mas acho que uma das mais marcantes foi a invocação da Helena no maior evento espiritual do mundo. Mergulhei no Ganges e disse ao cara lá de cima: “Se quiser mandar um serzinho para nós cuidarmos  aqui na terra, abriremos o portal durante 3 meses. Mas, por favor, não mande qualquer catrevagem que tiver por aí não, mande um espírito de muita luz!  E logo em seguida Helena foi concebida … !

Glácia grávida de Helena, pousando no Caminito
Glácia grávida de Helena, pousando no Caminito

 


Comentários

  • Glacia

    Estou super feliz com o carinho!