João Pessoa: roteiro para 5 dias com bebês ou crianças

Ah, João Pessoa! Por que demoramos tanto para te rever? Foram 9 anos desde a nossa última visita, mesmo sendo nossa capital vizinha (nós moramos em Natal). E como me surpreendi positivamente com a cidade. Jampa continua com a sua costumeira tranquilidade e está uma cidade organizada, limpa, com uma orla estruturada e me pareceu segura (um raridade no Brasil). Um ótimo destino para viajar com a família. Essa foi a nossa primeira viagem para fora do Rio Grande do Norte com Elis, que na época estava com 6 meses. Viajamos em janeiro, em plena alta temporada e conseguimos aproveitar bem o destino sem sermos explorados. Compartilho com vocês o nosso roteiro de 5 dias (com algumas sugestões extras) que tem um ritmo muito mais tranquilo do que estamos habituados e, por isso, é indicado para fazer com crianças, mas também pode ser feito por quem gosta de aproveitar a viagem com mais calma.

Farol do Cabo Branco que marca o ponto mais ocidental das Américas.
Farol do Cabo Branco que marca o ponto mais ocidental das Américas. E a Estação Cabo Branco, ao lado.

Assista ao nosso vídeo de João Pessoa:

Reserve sua hospedagem em João Pessoa

Continue lendo este post:

DIA 1 – Praia de Tambaú

Elis curtindo a praia em João Pessoa
Elis curtindo a praia em João Pessoa

Nos hospedamos em um apartamento em Tambaú, bairro que considero mais indicado para estadia, e já chegamos a tarde na cidade. Então, aproveitamos nosso primeiro dia na própria praia de Tambaú. Como era a tarde e dia de semana, mesmo sendo alta estação, a praia estava com pouca gente e muito tranquila.  

Tambaú tem uma orla bem organizada com ciclovia, quiosques e restaurantes. Pela manhã, das 5h às 8h, a avenida Cabo Branco, que fica à beira mar é fechada em alguns trechos para prática de atividades físicas. Na praia tem redes de vôlei e o combo de mesinha, duas espreguiçadeiras e guarda sol pode ser alugado por entre R$ 15 a R$ 20. Depende da negociação. Pelo menos teoricamente, as mesas não pertencem aos quiosques, mas os garçons atendem lá. Os preços costumam ser bem justos.

Orla de Tambaú
Orla de Tambaú

O mar é tranquilo, mas com crianças é preciso ter cuidado, pois logo no início, tem uma baixa e logo fica fundo. A água é super morninha. Uma delícia!

De Tambaú, mais próximo ao famoso hotel Tambaú (este redondo na foto de abertura do post), saem os passeios de barco para as piscinas naturais de Picãozinho (R$ 50, em jan/19), que ficam mais próximas, e também para as piscinas do Seixas (R$ 50). Indo direto no local de saída mais próximo as piscinas dos Seixas custa R$ 35.

Piscinas do Seixas
Piscinas do Seixas

Como Tambaú é uma área bem turística também é possível sair de lá para fazer o passeio para as piscinas de Areia Vermelha (R$ 60, incluindo carro e barco. Saindo direto de Areia Vermelha custa R$ 30).

Os passeios têm duração entre 2h e 3h. E o snorkell é cobrado a parte e custa entre R$ 15 e R$ 20.  

Bem, gostaria muito, mas não fizemos os passeios. Fiquei com receio de ser muito tempo para Elis. Mas pelo que conversei com as pessoas de lá, são passeios tranquilos que podem ser feitos com crianças. Fica para a próxima!

Gulliver Mar, em Cabo Branco
Gulliver Mar, em Cabo Branco

O nosso primeiro dia em Jampa foi na data do meu aniversário e também nossas bodas de casamento, então, para a noite, Fred reservou um restaurante bacana para irmos. Fomos ao Gulliver Mar, em Cabo Branco. Não é exatamente um restaurante para ir com crianças, mas eles não fizeram nenhuma restrição e tinha até cadeirão para Elis.

Ficamos na varanda coberta, com vista para o mar (a lua cheia estava especialmente linda!). O ambiente é bem sofisticado, com piano ao vivo e o atendimento dos garçons é bem gentil. Como o nome sugere, o forte do cardápio são os frutos do mar, mas o menu é bem variado. Porém não traz opções vegetarianas. O que não foi um problema, pois eles providenciaram um risoto de funghi para mim. E Fred pediu um polvo. Os pratos principais não estavam excepcionais. Mas a entrada que pedimos (Provoleta) simplesmente me dá água na boca até hoje! Uma surpresa para mim foi que mesmo sendo um restaurante gourmet, os pratos são muito bem servidos. Tanto que nem sobrou espaço para o meu bolo e não pedimos sobremesa. Os preços do restaurante não são baratos, claro, mas também nada absurdo para o padrão do restaurante. Recomendo para quem procura um  bom almoço ou jantar.

Continue lendo este post:

DIA 2 – Praia de Cabo Branco, Estação Ciência, Pôr do Sol do Jacaré

Praia de Cabo Branco
Praia de Cabo Branco

Começamos o segundo dia na Praia de Cabo Branco, que é na verdade uma continuação da praia de Tambaú e segue a mesma estrutura. Porém achei mais tranquila, pois fica mais distante dos barcos e dos vendedores de passeios.

A tarde, fomos na Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura & Artes que já havíamos visitado na última vez. Mas, dessa vez, me decepcionei ao saber que o prédio chamado “Torre Mirante” projetado por Oscar Niemeyer está fechado para reforma já há alguns anos. E as exposições estão no prédio em frente.

Estação Cabo Branco
Estação Cabo Branco

Além da beleza dos traços de Niemeyer, a torre Mirante tem um andar com vista panorâmica para a orla de João Pessoa. Então, o museu perde muito com o fechamento deste edifício.

Enfim, fomos à Estação com o objetivo principal de visitar o planetário, que havia sido recomendado por uma amiga que tem um bebê da idade de Elis e que me disse que ele adorou. Mas, infelizmente, no dia que fomos, o planetário estava recebendo visita de uma escola e não aceitaram visitas de turistas. Uma pena, pois não tivemos tempo de voltar e acabamos visitando apenas a única exposição fotográfica que estava no museu.

A Estação funciona de terça à sexta, das 9h às 18h e sábados, domingos e feriados, das 10h às 19h. O planetário recebe visitas de terça a domingo, às 10h30, 11h30, 15h e 16h. Devido ao que aconteceu com a gente recomendo ligar antes para saber se está recebendo visitas 3214.8270.

Vizinho a Estação Cabo Branco fica o Farol do Cabo Branco que marca o ponto mais ocidental das Américas, ou seja, o mais próximo da África. Este é um dos cartões postais de João Pessoa.

Ao lado do Farol está o Bosque dos Sonhos, que têm lojinhas de artesanato, área de piquenique, praça de alimentação, mirante, redário, parques infantis, esculturas, restaurante. Funciona de terça a domingo, das 8h às 17h. A entrada custa R$ 5.

Pôr do Sol do Jacaré
Pôr do Sol do Jacaré

No final tarde fomos ao famoso pôr do sol do Jacaré, que fica em Cabedelo, a 13 km de Tambaú.  Como falei no início do post, a última vez que havia ido em João Pessoa foi há 9 anos e fiquei desorientada com tantas mudanças na Praia do Jacaré.

Só para vocês entenderem, antes, havia vários restaurantes na orla, que ficavam até dentro d´água e deles víamos a execução do Bolero de Ravel por Jurandy do Sax. Desde 2015, a justiça ordenou a demolição dos restaurante por questões ambientais. E, hoje, a única coisa que se mantém como antes é o show de Jurandy.

Jurandy do Sax se apresenta há 16 anos na praia do Jacaré
Jurandy do Sax se apresenta há 16 anos na praia do Jacaré

Agora, as pessoas assistem ao pôr do sol na orla ou em um passeio de barco que são oferecidos no local. Os passeios custam entre R$ 35 e R$ 45 e tem 1 hora de duração. Cada barco oferece um diferencial, como show de xaxado ou do próprio Jurandy, mas sinceramente, não achei que os passeios valem a pena. Uma coisa que gostei foi do show do violinista Paulo Barreto, no calçadão, que fez uma prévia para a apresentação de Jurandy. Mas não tenho certeza se acontece sempre.

No calçadão tem também várias lojinhas de artesanato e próximo agora tem também um shoppingzinho com vários quiosques de comidas.

Sinceramente eu preferia mais o modelo antigo, mas se afetava o meio ambiente, a mudança tinha mesmo que ser feita. E o pôr do sol no Rio Paraíba continua maravilhoso.

Continue lendo este post:

DIA 3 – Lovina Tropical Bar e praia de Ponta de Campina

Lovina Tropical Bar & Restaurante
Lovina Tropical Bar & Restaurante

No terceiro dia, saímos quase na hora do almoço (pois como já contamos várias vezes, Fred trabalha mesmo enquanto viajamos, então, precisa ter horário de trabalho) e fomos conhecer o Lovina Tropical Bar, restaurante famosinho que fica em Cabedelo, na praia de Ponta de Campina, a 11 km de João Pessoa.

Certamente você já deve ter visto em alguma foto no Instagram de um portal de madeira com o nome “Lovina”, com coqueiros em volta e o mar ao fundo. O Lovina é um restaurante bem grande e, como falei, bem badaladinho, mas atende bem à famílias com crianças.

O restaurante tem mesas “normais” que ficam na área coberta principal e algumas na areia e mesas com vista para o mar, com consumação mínima de R$ 200 e ainda lounges com mesas, sofás e espreguiçadeiras, com consumação mínima de R$ 500. As cotas parecem altas, mas se for para várias pessoas é bem fácil de alcançar, pois os preços não são tão baratos. Apesar de ter algumas opções acessíveis.

Elis aproveitando um dos lounges do Lovina, (só pra foto mesmo! )
Elis aproveitando um dos lounges do Lovina, (só pra foto mesmo! )

Alguns preços do cardápio só para vocês terem uma ideia: drinks (entre R$ 12,90 a R$ 29,90), cervejas (de R$ 7,99 – long neck a R$ 12,99 – 600 ml), petiscos (entre R$ 14, 99 – batata frita a R$ 47,99 – filé de camarão ao alho e óleo com fritas), pratos principais ( entre R$ 69,99 – frango a R$ 139,99 – peixe inteiro frito). Preços de janeiro de 2019.

Uma coisa que não me agradou no restaurante é que além do consumo e nos casos das mesas e lounges especiais, consumação mínima, eles ainda cobram estacionamento (R$ 10) e pelo uso do playground, que é bem bacana até (R$ 10 – 20 minutos e R$ 20 – o dia inteiro). Ah! Também cobram couvert, o que é normal, e esse acabei não anotando o valor, mas não era caro. No dia que fomos, estava tocando um sanfoneiro.

O ponto alto do restaurante, na minha opinião, é a praia que fica em frente. A praia de Ponta de Campina é maravilhosa para banho, super tranquila e tem uma vista maravilhosa para a cidade de João Pessoa. Porém, as cadeiras e guarda-sóis que ficam em frente ao restaurante são de ambulantes e são cobradas a parte. Ou seja, você pode ir direto para a praia, se quiser.

Praia de Ponta de Campina
Praia de Ponta de Campina

Mas preferi ficar no restaurante porque almoçamos com calma, ficamos um bom tempo por lá, Elis brincou no parquinho (não cobraram porque ela é um bebê) e usamos o chuveiro após o banho de mar. Outro ponto negativo que observei é que os banheiros não têm trocadores para bebês, apesar de muitas famílias frequentarem o local.

Ao lado do restaurante, o Lovina tem também um espaço para grandes shows.

Continue lendo este post:

Dia 4 – Camboinhas

O nosso quarto dia foi completamente #fail. Meu plano era irmos para as praias do litoral Sul, que ficam no Conde e que havíamos conhecido na nossa última vez: Tabatinga, Coqueirinho e Tambaba (a parte não nudista! hehe). Estas praias estão a aproximadamente 45 minutos de João Pessoa.

Bem, tínhamos alguns familiares visitando também a cidade e acabamos combinando de nos encontramos na praia de Camboinhas, que fica em Cabedelo, ao lado de Ponta de Campina. Camboinhas é também uma ótima praia para ir com crianças e de lá saem os passeios para Areia Vermelha, um banco de areia que têm restaurantes flutuantes.

Nós estávamos prontos e para ficarmos de boa na praia, com crianças e bebês, quando caiu um temporal de verão. Nos refugiamos no restaurante em frente, mas a chuva era tanta e com tanto vento que nos molhávamos mesmo assim. As pessoas que eram de João Pessoa diziam que a chuva era bem incomum para época e os demais turistas faziam cara de decepcionados. Uma mulher falou que era o primeiro dia dela na cidade e não estava acreditando naquela chuva.

E, se tem uma coisa que aprendi viajando e, principalmente, agora com Elis é o bom e velho “aceita que dói menos”. Imprevistos em viagens acontecem e não dá para sempre pegar o clima perfeito. Então, é voltar pro hotel ou apartamento e descansar, assistir Netflix, ir a um shopping ou improvisar um almoço/churrasco no apartamento, que acabou sendo a nossa opção.

Continue lendo este post:

Dia 5 – Feirinha de Tambaú e Mangai

Feira de Artesanato de Tambaú
Feira de Artesanato de Tambaú

Para fechar os nossos dias em João Pessoa, pegamos uma praia pela manhã em Tambaú, que era  a mais próxima da nossa hospedagem e fomos até a famosa feirinha de artesanato, que fica no bairro.

Para almoçar, fomos no Mangai, famoso restaurante de comidas nordestinas. Em Natal, tem duas unidades da rede, porém queria conhecer a de João Pessoa, que foi a primeira. O restaurante de pessoa é bem menor do que os de Natal, mas é bem acolhedor. O buffet é self service no kg. A minha é: não deixe de comprar uns pãezinhos de macaxeira para viagem. São simplesmente deliciosos.

Eu tinha planos de visitar muito mais lugares em JP. Mas, com criança, o ritmo é sempre mais lento e é preciso respeitar isso. Alguns desses lugares que gostaria de ter visitado e que já fui em outras oportunidades é o Centro Histórico de João Pessoa, onde ficam o Centro Cultural São Francisco, a Catedral de Nossa Senhora das Neves, a igreja de Nossa Senhora do Carmo, entre outros prédios históricos. Pelo que me lembro, o centro histórico de Jampa é bem conservado.

Próximo de lá também estão outros lugares que podem ser visitados com crianças, o Parque da Lagoa – Solon de Lucena e o Parque Zoobotânico Arruda Câmara.

Ficam para uma próxima, que prometo que não irá demorar tanto dessa vez.


Primeira viagem do bebê à praia

O encontro de Elis com o mar era um dos momentos que eu mais aguardava desde que ela nasceu. Por sorte, ela chegou no “inverno” (em Natal, isso só significa um pouco de chuvas e uma temperatura mais amena) e justo no início do verão estaria apta para ir à praia. Mas a minha ansiedade era tanta que acabei adiantando algumas semanas e a levamos antes de completar os seis meses, idade recomendada pelos pediatras (que o dela não leia isto! hehe). Para essa primeira vez, escolhemos uma das minhas praias favoritas no Rio Grande do Norte: Praia de Camurupim, a 30 km de Natal. Aproveitamos a oportunidade para nos hospedar no Praia Bonita & Convention, que há um bom tempo queria conhecer. Ficamos duas noites.

Assista o vídeo para ter uma amostra dos lugares escolhidos:

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

O Rio Grande do Norte é um estado abençoado por belezas naturais. E com tantas belas praias foi difícil escolher uma para a primeira vez da nossa filha. A eleita foi a Praia de Camurupim, a 30 km de Natal. E para o passeio ficar ainda mais completo, Elis ainda experimentou banho de lagoa na belíssima Lagoa de Arituba e banho de piscina no @praiabonitaresort, que foi nossa escolha para hospedagem. Assistam ao vídeo e nos digam se foi ou não foi uma boa escolha. 😍 Para ler o post completo sobre a primeira viagem da nossa bebê à praia, clique no link na bio. #visitrn #meurnélindo #riograndedonorte #rn #praiadecamurupim #lagoadearituba #viagemcombebê #viagemcomcrianças #tresnomundo

Uma publicação compartilhada por Compartilhe Viagens (@compviagens) em

Continue lendo este post:

A escolha da praia – Praia de Camurupim

Com Elis na praia de Camurupim-RN
Com Elis na praia de Camurupim-RN

A Praia de Camurupim fica no litoral Sul do Rio Grande do Norte, uns 30 a 40 minutos de Natal. Aliás, a “viagem” de Natal até lá passa por cenários belíssimos e, para quem não conhece, vale algumas paradas, como o “Maior Cajueiro do Mundo”, a Baía dos Golfinhos em Tabatinga.

Escolhemos Camurupim porque é uma praia tranquila. Uma barreira de arrecifes quebra as ondas e forma uma verdadeira piscina natural. Por ser mais afastada da capital, também tem boa balneabilidade. E não é uma praia cheia de barracas, mesas e cadeiras. Tem apenas alguns restaurantes.

Primeiro banho de mar de Elis
Primeiro banho de mar de Elis

Outro ponto favorável é que era um deslocamento muito curto, então, ela não precisava ficar muito tempo na cadeirinha do carro.

Como o hotel ficava de frente para a praia, levamos Elis logo quando chegamos no final de tarde. Para falar a verdade, essa não foi a primeira vez que Elis viu à praia. Antes já tínhamos a levado em Ponta Negra, praia mais famosa de Natal. Mas não a colocamos na areia nem no mar. Ou seja, não conta! =)

Bem, colocamos os pezinhos dela na areia para ela ir sentindo e ela não muito cara de quem estava gostando e nem desgostando. Haha Depois, fizemos muitas fotos, claro! E, em seguida, levei ela para sentir a água, ver o mar e ela se animou um pouco mais e depois fomos para o banho de mar de fato. Mesmo com muito vento, a água estava tranquila e ela aproveitou. Fez um monte de besourinho com a boca, que era o jeito que ela demonstrava que estava gostando de algo.

Depois do banho de mar, molhamos ela no chuveiro do restaurante onde ficamos e enrolamos com um roupão quentinho. Mass, depois de outras experiências com ela na praia, agora levo uma garrafa de água de 1,5 litro para lavá-la caso não tenha chuveiro próximo. #Ficaadica

Essa não foi a única estreia de Elis nesta viagem. Também teve banho de piscina no hotel. Aproveitamos que logo cedo não tinha ninguém e a piscina estava limpíssima. Usamos a boinha dela e ela adorou! Ficou só batendo os pezinhos.

E também teve banho de lagoa…que conto mais na frente.

Continue lendo este post:

Lagoa de Arituba

Lagoa de Arituba
Lagoa de Arituba

O município onde fica Camurupim, Nísia Floresta, é pequeno (pouco mais que 22 mil habitantes), mas abençoado por belezas naturais. Além das praias tem nada mais nada menos que 26 lagoas. Entre as mais conhecidas estão a Lagoa do Carcará (que já apresentei a vocês) e a Lagoa de Arituba, para qual levamos Elis.

Primeiro banho de lagoa de Elis (Lagoa de Arituba)
Primeiro banho de lagoa de Elis (Lagoa de Arituba)

Para explicar melhor a vocês, o hotel onde ficamos o Praia Bonita tem uma ótima localização. Fica bem em frente à praia de Camurupim, basta atravessar a rua, e bem atrás dele fica a Lagoa de Arituba.

Primeiro banho de lagoa de Elis (Lagoa de Arituba)
Primeiro banho de lagoa de Elis (Lagoa de Arituba)

Arituba pode ir do paraíso ao caos dependendo do dia em que se visite. Durante a semana e até o sábado é bem tranquilo. Mas aos domingos, fica lotada! A lagoa é belíssima e no rasinho tem uma água cristalina. Tem vários restaurantes, que estão bem organizadinhos, com mesas, guarda sóis, redes, espaços cobertos, e que oferecem cardápios de petiscos, refeições e bebidas por preços justos.

Cochilinho na rede após o banho de lagoa (Lagoa de Arituba)
Cochilinho na rede após o banho de lagoa (Lagoa de Arituba)

Além de um banho refrescante, a lagoa tem como opções de lazer, passeio de caiaque (R$ 10 – 30 minutos), pedalinho (R$ 20 para 2 adultos + criança – R$ 30 minutos), tirolesa (não estava funcionando, acabei sem saber o preço).

Pedalinhos na Lagoa de Arituba
Pedalinhos na Lagoa de Arituba

Ao contrário do que pensei, Elis aproveitou o banho de lagoa menos do que o de mar. Mas atribuo isso ao sono. Logo, ela tirou o cochilo na rede do restaurante com o papai, enquanto a mamãe aproveitava o banho de lagoa.

Além da corujisse normal de mãe de primeira viagem, essas experiências dela foram de aquecer o meu coração, pois frequentei todos esses lugares durante a minha infância e me trazem lembranças muito boas. <3

Continue lendo este post:

O hotel – Praia Bonita Resort

Nós três no Praia Bonita Resort
Nós três no Praia Bonita Resort

Fazia um tempo que queria conhecer o Praia Bonita Resort, mas sempre adiava porque normalmente não pagamos muito em diária de hospedagem. Mas conseguimos um bom preço pelo Booking.com, mesmo sendo na alta estação, então, resolvemos aproveitar. Fechamos duas diárias no esquema apenas de café da manhã. Mas eles têm opções de All Inclusive e também apenas umas refeição.

O hotel, como falei, tem uma localização estratégica entre a praia  de Camurupim (basta atravessar a rua) e a Lagoa de Arituba (fica perto, mas melhor ir de carro). A piscina é enorme, com 1.200m²,  e é muito bonita.

São três andares de quartos e também três opções: Quarto Luxo, que fica no 1° piso, com quarto e banheiro social, com capacidade para até 3 pessoas; o

Quarto Super Luxo, no térreo e/ou 1° andar, nessa opção os quartos do térreo tem a mesma configuração do quarto luxo, mas a varanda dá acesso a piscina. Os apartamentos deste tipo no 1º Andar possuem jacuzzi exclusiva no solarium; no 2° andar ficam as  Suítes master, que comportam até 5 pessoas, tem ante-sala climatizada, banheiro social, varanda, sendo que algumas suítes possuem jacuzzi na varanda. Os quartos têm vista para piscina ou para o mar.

Um detalhe é que o acesso aos andares de cima é por escada. Então, quem tiver dificuldade de acesso, melhor pedir um quarto no térreo.

Nosso quarto (Quarto Luxo) no Praia Bonita Resort
Nosso quarto (Quarto Luxo) no Praia Bonita Resort

Nosso quarto (Quarto Luxo) no Praia Bonita Resort
Nosso quarto (Quarto Luxo) no Praia Bonita Resort

Banheiro do quarto
Banheiro do quarto

Nós ficamos em um “Quarto Luxo” no primeiro andar, que tinha uma cama de casal, mais um colchão de solteiro no chão porque avisamos que tínhamos criança, tv, frigobar, armários, mesa e cadeiras, varanda, ar condicionado, cofre. Achei o quarto bem amplo e confortável. Assim como o banheiro. Só não me agradei do chuveiro que é naquelas cabines que tem hidromassagem e tudo mais, porém ela não estava muito firme e balançava um pouco, enquanto tomávamos banho. =) Mas pode ser um problema apenas do nosso quarto.

 

Quanto ao restaurante, como falei, só fechamos pacote com café da manhã, que é compatível com o nível do hotel, com variedade de frutas, pães, tapioca feita na hora e outras comidas regionais como cuscuz, inhame, macaxeira, entre outras coisas. Não chegamos a almoçar nem jantar lá. Optamos por frequentar outros restaurantes da região, que ficam na praia e na lagoa. Mas para quem não fechou o sistema de All Inclusive, eles cobram uma taxa de R$ 50 para o buffet livre no almoço e o mesmo valor para o jantar, quando não tem shows e R$ 80 quando têm shows.

Vista da varanda do nosso quarto
Vista da varanda do nosso quarto

Elis lanchando uma frutinha na cadeira do quarto
Elis lanchando uma frutinha na cadeira do quarto

Quando estivemos no hotel, Elis estava no início da Introdução Alimentar, então, levamos só frutinhas e usamos a mesa mesmo do quarto. Mas o Praia Bonita dispõe de Copa Baby com geladeira, fogãozinho, microondas, gelágua, pia e liquidificador.

O hotel tem ainda campo de futebol de areia, quadra de vôlei de areia, sauna, mini golf, playground, espaço KIDS, jacuzzi na área de lazer, bar na piscina e no acesso à praia tem algumas espreguiçadeiras e palhoças. Nos fins de semana, o resort oferece também atividades com recreadores na piscina.

Outro serviço interessante do resort é um anexo para pets, que não são permitidos na área do hotel, mas podem ficar neste local, chamado de “Praia Canita”, que possui casinha privativa, cama, tapete descartável, jardim particular, com serviço de limpeza e de troca de água. O serviço é uma cortesia do resort e o cliente deve entrar em contato com antecedência com o hotel.

Piscina do Praia Bonita Resort
Piscina do Praia Bonita Resort

Continue lendo este post:

Mala do bebê – o que levar

Elis na piscina do hotel
Elis na piscina do hotel

Brinquedinhos para distrair a viagem de carro não podem faltar
Brinquedinhos para distrair a viagem de carro não podem faltar

A cada viagem com Elis vou conseguindo fazer uma mala mais enxuta. Nesta viagem levei:

1 mantas

1 toalha

4 fraldas de piscina (ela usa fralda ecológicas reutilizáveis)

2 biquínis

2 pijamas

2 pares de roupas por dia

3 pares de meias (para dormir)

8 fraldas de pano (para limpar o rostinho)

Camisa de proteção solar

15 fraldas descartáveis + 2 noturnas (isso depende da quantidade que a criança por dia)

Boia para piscina

Pratinho

Colherzinha

Babador de silicone

Faquinha (para cortar as frutas)

Copinho de água

Sabão e bucha para lavar os utensílios do bebê

Brinquedos e mordedores

Filtro solar

Repelente

Chapeuzinho de praia

O carrinho nós andamos sempre com ele no carro, mas não utilizamos. No restaurante, enquanto fazíamos nossa refeição, ela ficou no cadeirão.

Levamos a piscininha inflável porque não pretendia colocá-la na piscina, mas como falei, estava limpa e vazia, então usamos. A piscininha também pode ser utilizada como banheirinha.

Como na primeira viagem dela, não levamos berço nem banheira porque fazemos cama compartilhada e ela está acostumada com banho de chuveiro. Mas para os bebês que dormem sempre no berço, os pais podem perguntar ao hotel se eles oferecem bercinho (acabei não perguntando. Sorry!).


Day use na Ponta do Pirambu, em Pipa-RN

Pipa tem uma infinidade de opções para o visitante aproveitar muito mais do que um fim de semana. Já morei lá por alguns meses, além de já ter ido inúmeras vezes, e ainda não consegui conhecer a metade. Um dos lugares que só consegui visitar na última vez que fomos e que há muito tempo tinha vontade foi o Ponta do Pirambu Day Use. O lugar é ideal para quem quer passar o dia sossegado, de frente para uma praia praticamente deserta, com um certo conforto.

Piscina de borda infinita na Ponta do Pirambu Day Use
Piscina de borda infinita na Ponta do Pirambu Day Use

A Ponta do Pirambu fica à beira mar na Praia do Giz, em Tibau do Sul. Esta praia é praticamente frequentada apenas pelos clientes da Ponta e do restaurante vizinho. Na maré baixa, quando se formam as piscinas naturais, é uma delícia. A Praia do Giz é também um dos pontos de visualização de golfinhos. Vimos alguns enquanto estivemos lá. Dizem que tartarugas marinhas também podem ser vistas. Na área do Day Use também costumam aparecer saguis e iguanas.

Praia do Giz
Praia do Giz
Com 8 meses de gestação na Ponta do Pirambu
Com 8 meses de gestação na Ponta do Pirambu
"Elevador" da Ponta do Pirambu
“Elevador” da Ponta do Pirambu

O Day Use conta com uma bonita estrutura em meio a natureza, com piscina de borda infinita, espreguiçadeiras, redário, vestiários com duchas, armários com chaves para os clientes guardar seus pertences. O acesso é por escada ou “elevador”, que é na verdade uma estrutura rústica para quem necessita de acessibilidade. Utilizei ele para subir, pois estava com 8 meses de gestação, quando fomos, em maio deste ano.

Restaurante da Ponta do Pirambu
Restaurante da Ponta do Pirambu

O bar e restaurante tem um cardápio de petiscos e pratos de cozinha regional e também internacional à la carte. A apresentação é bem gourmet e os preços são um pouco altos, mas nada muito diferente dos praticados nos restaurantes de Pipa. O cardápio também tem várias opções de drinks e outras bebidas alcoólicas. Além das bebidas não alcoólicas, claro.

Risoto de Funghi
Risoto de Funghi

A Ponta do Pirambu funciona todos os dias das 9h às 17h.  As vagas são limitadas, portanto, é preciso fazer reserva, especialmente, na alta estação. Os contatos são (84) 99924-2146 – WhatsApp e (84) 3246-4333.

Quando visitamos em maio de 2018, custava R$ 60 em dias de semana e R$ 80 nos finais de semana. Esse valor é revertido em consumação de alimentos e bebidas. Crianças até 7 anos são isentas, acima pagam tarifa integral.

Ah! Tem estacionamento privativo e o acesso é em parte por estrada de barro. Veja o mapa: https://goo.gl/maps/DhhT6j2zx9s

Assista ao nosso vídeo na Ponta do Pirambu:

Reserve sua hospedagem em Pipa 

 

 

 


Alagoas: As melhores praias entre Maragogi e São Miguel dos Milagres

Sou potiguar, mas não posso negar que o litoral de Alagoas é, no Nordeste brasileiro, o que mais se aproxima do Caribe: com um mar calmo, de águas em tons turquesa, areia branquinha e coqueirais. Além disso, na chamada Costa dos Corais, que possui 130 km de extensão, e vai dos municípios de Paripueira até Maragogi, ainda está a segunda maior barreira de corais do mundo (atrás apenas da barreira australiana), o que permite fazer mergulhos em piscinas naturais, em praticamente todas as praias. Fizemos um roteiro de 5 dias, em parte desta costa e irei listar aqui as melhores praias (na nossa opinião) entre Maragogi e São Miguel dos Milagres.

Praia de Ponta do Mangue, em Maragogi
Praia de Ponta do Mangue, em Maragogi

Maragogi

Dentro da Costa dos Corais, Maragogi é certamente o município mais famoso e onde estão os passeios mais disputados para as piscinas naturais. A praia principal, onde estão a maior parte das pousadas e restaurantes e de onde saem os passeios para as piscinas naturais, é, no entanto, a mais sem graça, além de suja (vi alguns esgotos descendo para praia) e com muita gente.

Encontramos praias muito mais bonitas e que fazem parte do município, ao norte dessa região centrinho.

Ponta do Mangue
Ponta do Mangue

Entre as que visitamos, considero a mais bonita a praia de Ponta do Mangue, que fica a 12 km do centrinho de Maragogi. A praia tem uma faixa extensa de areia, águas calmas, muitos coqueiros e uma estrutura de barracas e restaurantes bem organizadinha. Quando fomos, tinha bastante gente, mas nada que atrapalhasse a tranquilidade de um dia na praia.

Como às vezes é um pouco difícil encontrar a sinalização para a entrada da praia, a dica é entrar na rua da antena de telefonia, onde tem a placa “Bar da Praia”.

Uma dica que me deram para quem vai a praia de Ponta do Mangue é fazer a caminhada até a Praia de Antunes, praia vizinha. Mas seriam uns 30 minutos ou mais de caminhada, o trecho. Mas como estava com 4 meses de gestação fiquei com preguicinha e preferi aproveitar esse tempo tomando banho de mar e ir para a outra praia de carro. =)

Praia de Antunes em dia de domingo
Praia de Antunes em dia de domingo

Acabamos indo para a Praia de Antunes, em um outro dia, pois começou a chover muito. Então, fomos em um domingo e a praia estava lotadaaa! Não sei se normalmente é assim.

A praia também é muito bonita, com águas calmas, mar turquesa, só os coqueiros que ficam mais distantes da entrada de carro e mais próximos da praia de Ponta do Mangue. Lá também tem bastante estrutura de barracas.

Uma praia que ouvimos bons comentários, mas infelizmente não fomos, foi a Praia Burgalhau. Se alguém já foi, por favor, nos conta como é.  

Rota Ecológica

O trecho mais bonito do litoral começa mesmo na chamada Rota Ecológica, tanto que ficamos 4 dias nessa região e apenas 1 em Maragogi. São 55 km que abrange os municípios de Porto de Pedras, São Miguel dos Milagres e Passo de Camaragibe.

A dica é fazer o trajeto entre Maragogi e São Miguel pela balsa que fica em Japaratinga e ir conhecendo boa parte das praias. O município de Japaratinga também tem praias bonitas, mas só passamos por elas e priorizamos as praias que ficam após a balsa.

A balsa cruza o rio Manguaba e vai de Japaratinga a Porto de Pedras. São duas balsas, que funcionam diariamente das 6h até meia noite, com capacidade de 4 a 6 carros. O carro custa R$ 15 (janeiro de 2018), caminhonete, R$ 16. Dependendo da época do ano, a espera pode ser longa, mas ainda assim vale a pena ir pela balsa. Primeiro que é o melhor caminho para ir conhecendo as praias e segundo porque nos disseram que a estrada que liga Maragogi a São Miguel dos Milagres está em péssimas condições.

Na ida, esperamos quase 1h30 pela nossa vez na balsa, mas na volta, foi muito rápido, só deu tempo de esperar a balsa chegar.

Praia do Patacho
Praia do Patacho

A travessia é bem rápida, uns 10 minutos. e logo chegamos a um dos trechos mais bonitos do litoral de Alagoas. Saindo da balsa e seguindo pela estradinha a beira mar (boa parte é de terra em meio aos coqueirais), passamos pela famosa Praia do Patacho, onde ficam algumas das pousadas mais caras e onde normalmente os famosos costumam se hospedar. Esta praia é famosa também por ter 3 coqueiros curvados, um do lado do outro. Além das pousadas, não tem nenhuma estrutura de barracas. Então, tem que esticar a canga ou levar a cadeira de praia para ficar na praia.

Logo depois do Patacho e que quase passa despercebida está a Praia da Lage, que na minha opinião, é uma das mais paradisíacas da região. Lá dois vendedores montaram umas barraquinhas de palha de coqueiro, com cadeiras e mesinhas que dão um charme a paisagem. Um lugar perfeito para sentar, tomar uma água de coco, relaxar e tomar banho de mar.

Praia da Laje
Praia da Laje

DICA: Reserve 1 dia inteiro para fazer esse trajeto de Maragogi até Porto da Rua para ir parando nas praias do caminho.

Depois da praia da Laje, vem a Praia de Tatuamunha e o rio de mesmo nome, de onde saem passeios para observação de peixes-bois marinhos, que são protegidos pelo Projeto Monitoramento Comunitário da Biodiversidade. Não fizemos esse passeio, mas quem tiver interesse pode entrar em contato com a Associação Peixe-Boi ( 82 3298-6247). O passeio custa R$ 50 por pessoa (janeiro de 2018).

Logo depois de cruzar o rio Tatuamunha, está o distrito de Porto da Rua, que faz parte do município de São Miguel dos Milagres.

Porto da Rua é o distrito mais povoado de São Miguel e foi lá onde ficamos hospedados na Pousada Maria Bonita

A praia de Porto da Rua não está entre as mais bonitas, mas o distrito é bem localizado, com várias opções de restaurantes e pousadas e também é de onde normalmente saem os passeios de jangada para as piscinas naturais. Lembrando que é preciso pelo menos uma manhã ou tarde (dependendo da maré) para fazer o passeio, que é imperdível.  

Praia do Toque
Praia do Toque

Também já escrevi um post sobre o passeio nas piscinas naturais de São Miguel dos Milagres e Praia do Toque.

Seguindo a partir de Porto da Rua em direção ao sul estão a Praia do Toque, que é uma praia praticamente exclusiva para pousadas, que costumam ser bem caras (soube que no réveillon tem pousadas por lá que chegam a cobrar R$ 20 mil a diária). A praia não tem acesso por carro, mass dá para estacionar em uma estradinha de areia e entrar caminhando por uma entrada que fica ao lado de uma porteira laranja (foto). Não tem absolutamente nada sinalizando sobre isso. Então, se ficar perdido, pergunte. =)

Da porteira até a praia são uns 5 minutos de caminhada. A praia é como a maioria da região, de águas tranquilas, areia branquinha. A estrutura que tem lá de mesas, cadeiras e serviço de bar e restaurante é a oferecida pelas pousadas, mas também tinha um food truck logo na chegada na praia pelo caminho cruzando a porteira.

Praia de São Miguel dos Milagres
Praia de São Miguel dos Milagres

Na sequência a próxima praia é a de São Miguel dos Milagres. A entrada fica quase em frente a Prefeitura e tem rua de calçamento até lá (o restante a maioria é por estrada de terra).

A praia que dá nome ao município é bonita, mas também não ficou entre as minhas preferidas. Mesmo assim, recomendo uma parada por lá. Na praia de São Miguel dos Milagres tem algumas barracas, mas não visitei nenhuma para recomendar a qualidade.

Já na próxima praia, a do Riacho encontramos uma estrutura bem melhor de bares e restaurantes e almoçamos em um dos dias, no Restaurante Corais dos Milagres. No entanto, essa praia é bem lotada, pois recebe grupos de turismo. Um dos restaurante, inclusive, é exclusivo para receber grupos da CVC.

Praia do Riacho
Praia do Riacho
Barracas na Praia do Riacho
Barracas na Praia do Riacho

Logo depois da praia do Riacho, vem a Praia do Marceneiro (foto de destaque do post), a minha favorita no município de São Miguel dos Milagres. Esta praia tem uma extensa faixa de areia, muitos coqueiros, água muito azul e tranquila. Quando fomos, tinha pouquíssimas pessoas, pois só tem uns dois ambulantes na entrada da praia com poucas cadeiras. Estava tão tranquilo que ficamos praticamente a sós em um trecho da praia e foi lá que aproveitamos para fazer algumas fotos para registrar a minha gestação.

Dica: Também é preciso pelo menos um dia para fazer com calma, o roteiro pelas praias que vai de Porto da Rua até a Praia do Marceneiro ou Barra de Camaragibe. No nosso caso, fizemos o caminho inverso, fomos até a Praia do Marceneiro, onde passamos mais tempo, e fomos voltando.

A praia de Barra de Camaragibe tem o charme do encontro do mar com o rio (a foz do rio Camaragibe é lá). É bem tranquila e pode ser uma boa ir no fim da tarde para dá um mergulho de mar ou de rio, se preferir. Em Barra de Camaragibe tem um restaurante de frente para o mar, que é bastante procurado que é o Patiaçu, um self service com preço justo que tem bastante opções, especialmente de pratos preparados com frutos do mar. Lá também tem redes para descansar embaixo do pé de castanhola. O que é uma delícia depois do almoço, especialmente, com a brisa do mar. Do restaurante até o rio são uns 5 a 10 minutos de caminhada pela sombra, entrando por uma propriedade. Mas também dá para chegar, caminhando à beira mar.

Quem tiver mais tempo e disposição, atravessando o rio Camaragibe de barquinho, dá para chegar até a Praia do Morro, que dizem ser uma das mais bonitas da região. Mas para chegar até o trecho mais bonito, onde estão as falésias, é preciso fazer  trilha de uns 3 km o trecho. Como já comentei, no período da viagem, estava grávida de 4 meses, então, preferimos não fazer.  Também existe acesso por estrada de terra, mas que nos disseram que só dá para passar trator!

E para fechar o nosso roteiro, tivemos uma bela vista das praias da região, do mirante que fica no alto de São Miguel dos Milagres. A entrada fica na lateral da igrejinha do distrito, seguindo pela direita.

Vista do Mirante de São Miguel dos Milagres
Vista do Mirante de São Miguel dos Milagres

Para conhecer com tranquilidade estas praias, recomendo pelo menos 1 dia em Maragogi e mais uns 3 ou 4 dias em São Miguel dos Milagres. O tempo mínimo para você descobrir a sua praia favorita da Costa dos Corais.

 


Eclipse solar visto de Natal – RN

Como vocês devem ter visto em todos os meios de comunicação, hoje aconteceu um eclipse solar, que pôde ser visto total, apenas nos Estados Unidos, mas pôde ser observado, parcialmente, em 15 estados brasileiros, principalmente do Norte e Nordeste. Nós fomos até o Parque da Cidade, em Natal, onde centenas de pessoas se reuniram para assistir a esse espetáculo, que foi ainda mais especial porque terminou com o pôr do sol. Nós fizemos váaaarias fotos e escrevi este post para compartilhar com vocês.

Parque da Cidade, obra de Oscar Niemeyer
Parque da Cidade, obra de Oscar Niemeyer

O eclipse começou em Natal por volta das 16h30 e culminou com o pôr do sol. A visão que tivemos de Natal foi da lua cobrindo cerca de 40% do sol, que ficou em forma de uma meia lua.

Eclipse visto pelo telescópio
Eclipse visto pelo telescópio

Como nos explicou Pedro Ferreira, astrônomo e também amigo nosso, que acompanhou o fenômeno com a gente, o eclipse solar acontece quando a lua fica entre a terra e o sol, formado uma penumbra. “Infelizmente, desta vez, só veremos o fenômeno parcial. O total só pôde ser visto nos Estados Unidos”, nos disse Pedro.

O eclipse começou por volta das 16h25 em Natal
O eclipse começou por volta das 16h25 em Natal. Foto feita com óculos escuros na frente! =)
Eclipse visto com a ajuda de uma chapa de raio-x
Eclipse visto com a ajuda de uma chapa de raio-x
Grupo de pesquisadores levou telescópio para visitantes do Parque observarem o eclipse
Grupo de pesquisadores levou telescópio para visitantes do Parque observarem o eclipse

No Parque da Cidade, um grupo de pesquisadores de Natal levou um telescópio para que as pessoas no parque pudessem observar o eclipse, que visto a olho nu pode ser prejudicial. Apesar de que muita gente não deu muita importância para isso. Mas, teve gente também que levou chapas de raio-x para observar melhor o fenômeno. Peguei uma emprestada de um amigo e fizemos algumas fotos.

No final, por volta das 17h30, teve eclipse com pôr do sol, que mereceu palmas da plateia. =)

O Parque da Cidade fica no bairro de Pitimbú, em Natal, e tem monumento projetado por Oscar Niemeyer.

O eclipse solar culminou com o pôr do sol
O eclipse solar culminou com o pôr do sol

As fotos foram feitas por Fred. Lá no nosso Instagram @compviagens tem vários vídeos, mostrando como foi a movimentação para ver o eclipse em Natal.


Serra de Martins: destino para aproveitar o inverno no Rio Grande do Norte

É difícil de acreditar, mas existe inverno no Rio Grande do Norte. Tá bom, o que a gente chama de frio é uns 20 poucos graus com um ventinho gelado. Mas, como normalmente chove no litoral entre junho e agosto, essa é a melhor época para conhecer o interior do estado, especialmente, as cidades serranas. Serra de Martins é a mais conhecida delas. A 362 km de Natal, mais ou menos 5h de carro, Martins é o destino ideal para aproveitar o inverno no RN. Com belas paisagens, cavernas, cachoeira, mirantes, Martins também realiza um dos festivais gastronômicos mais famosos do estado.

Estrada para Martins
Estrada para Martins

Conhecida como a “Princesa Serrana”, Martins está a 703 metros acima do nível do mar, por isso, tem uma temperatura mais amena que as demais cidades da região. Entre junho e setembro, a temperatura mínima pode chegar a uns 16 ou 17 graus. O que acreditem é muito frio para os padrões do interior do Rio Grande Norte.

Continuar lendo Serra de Martins: destino para aproveitar o inverno no Rio Grande do Norte


Lajedo Soledade (Rio Grande do Norte): sítio arqueológico e pinturas rupestres – onde o sertão já foi mar

Na cidade de Apodi, no sertão do Rio Grande do Norte, a 340 km de Natal, fica o Lajedo Soledade, uma área de aproximadamente 2km2, que há aproximadamente 90 milhões, já foi fundo do mar. O Lajedo é um sítio arqueológico que guarda pinturas rupestres que teriam entre 3 a 5 mil anos e fósseis de animais da Era Glacial. Nós visitamos o Lajedo Soledade, em uma viagem que fizemos pelo RN, com os nossos sobrinhos, e tanto nós quanto eles ficamos impressionados com a quantidade de pinturas e como elas estão bem conservadas.

O Lajedo Soledade já foi fundo do mar há 90 milhões de anos, aproximadamente
O Lajedo Soledade já foi fundo do mar há 90 milhões de anos, aproximadamente

Continuar lendo Lajedo Soledade (Rio Grande do Norte): sítio arqueológico e pinturas rupestres – onde o sertão já foi mar


Piranhas, Alagoas: cidade base para conhecer os Cânions do São Francisco

Piranhas, no Oeste de Alagoas, divisa com Sergipe, é uma cidade muito charmosa, com seu centro histórico às margens do rio São Francisco e também cheia de história. Esteve nos Caminhos do Imperador, quando Dom Pedro II fez uma expedição pelo Rio São Francisco, em 1859, e também foi a cidade onde foram expostas as cabeças de Lampião, Maria Bonita e outros 9 cangaceiros logo após terem sido mortos. Hoje, Piranhas é uma cidade turística, cheia de opções de hospedagens, restaurantes, bares e museus. E foi a nossa escolha de cidade base para conhecermos os Cânions do São Francisco.

Centro histórico de Piranhas, Alagoas
Centro histórico de Piranhas, Alagoas

Continuar lendo Piranhas, Alagoas: cidade base para conhecer os Cânions do São Francisco