Cuba: Varadero para mochileiros

Varadero é o destino número 1 de Cuba e, provavelmente, o mais caro também. A praia é a Cancún cubana, com a orla tomada por resorts all inclusive e hotéis de alto padrão. Mas Varadero também é possível para mochileiros. Veja as dicas para conhecer a praia mais famosa do país com baixo orçamento.

Em Varadero
Em Varadero

Continuar lendo Cuba: Varadero para mochileiros


Cuba: Roteiro de 1 dia em Santa Clara

Santa Clara, a 274km de Havana, é a cidade onde foi travada a batalha final da revolução que derrubou o governo de Fulgencio Batista em 1958. É lá que Che Guevara está enterrado, junto com outros líderes da revolução cubana. Por sua importância histórica, a cidade merece ser incluída no roteiro de viagem a Cuba, mesmo que seja por um único dia, que foi o que fizemos. Veja a nossa sugestão de roteiro de 1 dia em Santa Clara.

Continuar lendo Cuba: Roteiro de 1 dia em Santa Clara


15 dias em Cuba – Roteiro, hospedagem e quanto custa

O fato de Cuba ser uma ilha (e, aparentemente no mapa, pequena) dá aquela sensação de que é possível conhecer o país inteiro em poucos dias. Ledo engano. A ilha principal é um pouco maior do que o estado de Pernambuco. Entretanto, em Cuba há muitos lugares que valem a pena ser visitados e os deslocamentos não são tão rápidos. Decidimos ficar por duas semanas no país, que considero um bom período para uma primeira visita. Neste post, explico como organizar o roteiro, escolher a hospedagem e o orçamento necessário para viajar por 15 dias em Cuba.

Antes de ir a Cuba, conversei com muitos amigos que haviam visitado o país. Tinha mais ou menos uma ideia do que queria fazer, mas fomos sem nada planejado. Com a ajuda do Luís, o dono da casa em que nos hospedamos em Havana , escolhemos a cidade, qual itinerário a seguir e fizemos as reservas das casas onde nos hospedamos.

Trinidad, Cuba
Trinidad, Cuba

Continue lendo este post:

Roteiro

Definimos nosso roteiro de forma que poderíamos ter um pouco de história, cultura, natureza, música e praias.

Então, ficamos 6 noites em Havana (5 na chegada, 1 dia no final),  2 noites em Viñales, 3 noites em Trinidad, 1 noite em Santa Clara e 2 noites em Varadero.

Ficamos um dia a mais em Havana do que desejávamos, pois a capital cubana recebeu o Papa Francisco no dia em que estivemos lá. Poderíamos ter acrescentado um dia a mais em Trinidad, em que poderíamos ter ido a praia Ancón.

A ordem das cidades, essa foi a melhor que encontramos para otimizar o tempo de deslocamento. Para ir de uma cidade para a outra é possível ir de ônibus ou carro fretado. Mas muito cuidado com os carros clássicos, pois muitos quebram na estrada. O trajeto mais longo é de Viñales a Trinidad, por isso, é bom sair bem cedo.

O que fazer em cada cidade

Havana

Apesar de termos ficado 6 noites em Havana, resumi nosso roteiro na capital em 3 dias, que, dependendo do ritmo de viagem, pode ser feito em mais dias.

Leia: O que fazer em Havana – Roteiro para 3 dias

Gran Teatro de La Habana
Gran Teatro de La Habana

Viñales

Viñales é uma pequena cidade rural, a cerca de 2h de Havana. O vale que circunda o povoado é um dos parques nacionais de Cuba e é declarado Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco.

Viñales, Cuba
Viñales, Cuba

Existem duas formas interessantes de conhecer os principais atrativos de Viñales: o ônibus turístico que faz um roteiro circular, em que é possível fazer várias paradas ao longo do dia; e o passeio a cavalo feito dentro do vale, com paradas nas grutas, rios, fazenda de café e fábrica artesanal de charutos. Nós fizemos e recomendamos as duas.

Principais atrações: Mural da Pré-história (uma pintura que não é pré-histórica, apesar do nome), Cueva del Indio, Rio San Vicente e Cueva Santo Tomás.

Passeio a cavalo, em Viñales
Passeio a cavalo, em Viñales

Trinidad

Uma das cidades coloniais mais bem preservadas de Cuba, com um belíssimo centro histórico. A cidade, juntamente com o Vale dos Engenhos, que fica em volta, também foram declarados Patrimônios Mundiais da Humanidade pela Unesco.

Trinidad e o Vale dos Engenhos
Trinidad e o Vale dos Engenhos

Além do passeio pelo centro histórico, visita a museus, há muito o que se ver nos arredores de Trinidad pelo Valle dos Engenhos, com várias cachoeiras. E próximo a cidade fica a praia Ancón.

Uma das coisas mais legais de se fazer em Trinidad é La Casa de la Música, onde é possível ver apresentações de músicas locais e também dançar muita salsa. O mais legal é que o lugar é frequentado também por moradores, que convidam os turistas a dançarem.

Principais atrações: Centro Histórico (praças, Igreja da Santíssima Trindade, Museu Municipal de História, Casa Rafael Ortiz), Casa da Música, Vale dos Engenhos e Praia Ancón.

Santa Clara

É a cidade onde foi travada a batalha final da revolução que derrubou o governo de Fulgencio Batista em 1958. Por essa razão, Che Guevara está enterrado lá, junto com outros revolucionários. Também estão lá as cinzas de Alberto Granado, o amigo de Che, que fez junto com ele a famosa viagem pela América do Sul, retratada no filme Diários de Motocicleta.

Memorial e Museu Che Guevara
Memorial e Museu Che Guevara

Apesar de ter muitos atrativos históricos interessantes, um dia é suficiente para conhecer tudo em Santa Clara.

Estátua de Che segurando a criança
Estátua de Che segurando a criança

Principais atrações: Memorial e Museu Che Guevara, Monumento a tomada do Trem Blindado, estátua de Che segurando a criança, Catedral de Santa Clara de Assis e Teatro de La Caridad.

Varadero

O mais famoso destino de praia de Cuba. Resume-se, de fato, às praias e aos hotéis. Vários amigos recomendaram não ir a Varadero, mas dar prioridade a outras cidades e praias de Cuba. Fomos mesmo assim. O mar de Varadero é realmente incrível, mas o mais bonito que encontramos em Cuba foi pertinho de Havana.

Varadero
Varadero

Varadero vale a pena para quem realmente quer só curtir a praia e o hotel. No nosso caso, ficamos hospedados em uma casa, como em todas as outras cidades.

Depois escreverei posts mais detalhados sobre essas cidades.

Continue lendo este post:

Hospedagem

Em todas as cidades que conhecemos em Cuba, nos hospedamos em casas de cubanos. Essas casas, na verdade, funcionam como pousadas domiciliares e são todas regulamentadas pelo governo, que faz várias exigências, como todos os quartos serem suítes.

As casas em que ficamos nos foram indicadas por Luís, dono da casa em Havana. Fomos bem recebidos em todas elas. As casas são bem simples, mas são sempre limpas, com ar condicionado, frigobar e são bem localizadas. Os cafés da manhã são pagos a parte e, em geral, são muito bem servidos e deliciosos.

Seguem os contatos:

*Havana

Hostal Corazón de Vedado

Proprietário Luís

Quanto pagamos em setembro/2015: 25 CUC, casal, por noite.

Avenida de los Presidentes, 604, Vedado

Tel.:+53 7 833 2772 Cel.:+53 5361 6256

Email: info@hostal-vedado.com

Nosso quarto em pousada domiciliar em Havana
Nosso quarto em pousada domiciliar em Havana

*Viñales

Villa Lidia

Proprietária Lídia (um amor de pessoa. Ela e o marido trata os hóspedes como filhos)

Quanto pagamos em setembro/2015: 20 CUC, casal, por noite.

Calle Rafael Trejo 22, Vinale

Tel: (53) 48 696745

Villa Lidia
Villa Lidia

Quarto na casa de Lidia
Quarto na casa de Lidia

*Trinidad

Hostal Fidel Devora y Gladys Rodríguez

(Senhor Fidel em que dá mais atenção aos visitantes. Essa casa é bem localizada. Mas por ser um casarão colonial tudo tinha um aspecto de muito antigo e simples. A vista da Terraza é incrível dá para ver a cidade, a praia e as montanhas).

Quanto pagamos em setembro/2015: 25 CUC, casal, por noite.

Endereço: Vicente Zuyama ( antiga Encarnación), 9

Telefone: (54) 41 993084/ 54910977/54530182

Email: fdr67@nauta.cu

Quarto na casa de Fidel
Quarto na casa de Fidel

Vista da terraça
Vista da terraça

Pôr do sol visto da terraçaPôr do sol visto da terraça
Pôr do sol visto da terraça

*Santa Clara

Hostal Casa Rolando y Adelaida

(Casa muito boa e bem localizada em Santa Clara, donos bem simpáticos).

Quanto pagamos em setembro/2015: 25 CUC, casal, por noite.

Endereço: Maceo 355-A e/ S.Garcia (Nazareno) y E.P.Morales (Sindico), Santa Clara, Villa Clara 50100, Cuba

Tel: +53 42 06725 / +53 42 206725Cheap calls to Cuba

Quarto na casa de Rolando em Santa Clara
Quarto na casa de Rolando em Santa Clara

*Varadero

Odalys y Jochy

(Na verdade, não ficamos nesta casa porque lotou e ficamos na casa ao lado da filhas deles. Mas essa é melhor do que a que ficamos. Próximo à praia e à avenida principal de Varadero).

Quanto pagamos em setembro/2015: 30 CUC, casal, por noite.

Endereço:  Avenida 5, 5409

Tel: 045611974/ 5352222564

Email: jd46@nauta.cu

Continue lendo este post:

Quanto custa

Nosso orçamento médio em Cuba foi entre 40 e 50 CUC por pessoa/dia.

Hospedagem: entre 20 e 30 CUC por quarto duplo

Transporte: depende dos destinos e do transporte (carro ou ônibus), mas varia entre 10 CUC ( distância mais curta Varadero-Havana) a 40 CUC (distância mais longa Viñales – Trinidad de táxi coletivo).

Alimentação: Esse é um item em que se pode economizar muito ou estourar o orçamento em Cuba. Comendo em restaurantes frequentados por cubanos se paga entre 1 e 2 CUC por refeição. Em restaurantes turísticos entre 5 e 10 CUC.

O café da manhã cobrado pelas casas particulares, em geral, custam entre 3 e 4 CUC por pessoa, mas são muito bem servidos e diversificados. Algumas casas, como a de Lídia, Fidel e Rolando, oferecem opção de almoço e jantar, que também são muito fartos e saborosos.

Internet: o cartão custa 2 CUC a hora. No mercado “negro” em Havana, 3 CUC.

Além desses gastos, reserve mais dinheiro para alguns passeios, água mineral, bebida (daiquiri, rum, margaritas! :)), souvenirs e transporte dentro das cidades.

Antes de ir para Cuba, leia também este post:

Cuba pela primeira vez: 11 coisas que você precisa saber antes de viajar

Quer viajar para Cuba? Confira estas promoções que encontramos para você!

Reserve sua hospedagem em Cuba


O que fazer em Havana – Roteiro para 3 dias

Havana ou La Habana, a capital cubana dos prédios imponentes, dos carros antigos, das roupas estendidas em varais em janelas de prédios que mais parecem abandonados, dos músicos de rua, de muitas igrejas e onde os praticantes de religiões africanas caminham livremente vestidos de branco dos pés à cabeça (sem medo de sofrer preconceito, como no Brasil). Existem muitas “Havanas”, a depender do olhar de cada um. A cidade desperta curiosidade, inspira o charme de um tempo antigo e provoca muitas reflexões. Mas o fato é que não fica de fora do roteiro de quem viaja a Cuba. Neste post, organizei em 3 dias nosso roteiro em Havana.

Continuar lendo O que fazer em Havana – Roteiro para 3 dias


Cuba pela primeira vez: 11 coisas que você precisa saber antes de viajar

Cuba é um país paradoxal. Ao mesmo tempo que parece que a ilha parou no tempo, lá pelos anos 1950, está em constante mudança, especialmente nos últimos meses, depois da reaproximação com os Estados Unidos. Antes de viajar para a ilha, em setembro, fiz muita pesquisa e perguntas a amigos que tinha visitado o país pouco tempo antes e, quando chegamos lá, muitas coisas já estavam diferentes do que eles tinham me dito. Então, para facilitar a viagem a Cuba pela primeira vez, fiz uma lista de coisas que você precisa saber antes de ir.

Continuar lendo Cuba pela primeira vez: 11 coisas que você precisa saber antes de viajar


A chegada da wi-fi às ruas de Cuba: Uma nova revolução em Cuba: a chegada da wi-fi às ruas

A avenida principal de Havana, de número 23, está tomada por novos viciados. Onde houver um cantinho, eles estão lá, imersos em seu vício. Falando baixinho, “vendedores” buscam novos usuários e oferecem o produto: – Hey, psiu… tarjeta de wi-fi?

Novos "viciados" em wi-fi nas ruas de Havana
Novos “viciados” em wi-fi nas ruas de Havana

Este é um cenário completamente novo em Cuba. A internet wi-fi, que antes só era oferecida em hotéis por inacreditáveis 10 CUC (10 USD) a hora, agora pode ser acessada na rua, por um preço um pouco mais acessível, 2 CUC (2 USD) por 60 minutos, o que ainda é caro para a maioria dos cubanos (o ganho mensal de um trabalhador em Cuba é entre 10 e 20 CUC) e até mesmo para turistas, que são acostumados a ter acesso a internet gratuita no restante do mundo. Continuar lendo A chegada da wi-fi às ruas de Cuba: Uma nova revolução em Cuba: a chegada da wi-fi às ruas


Viagem à Cuba, por Gustavo Azeredo

Eu sei. Estou em dívida com vocês. Desde que partimos para a nossa Volta ao Mundo não consigo atualizar o blog com frequência. Mas espero que vocês entendam que é muita coisa acontecendo. Boas, é claro. E que mais cedo ou mais tarde, contarei tudo por aqui.

O destino tem sido generoso conosco. E as pessoas que temos conhecido neste semestre sabático têm tornado tudo ainda melhor. E não é só gente da estrada. Tenho mantido contato online com muita gente bacana. Pessoas que compartilham o mesmo amor pelas viagens, que vêm nos ajudando e incentivando muito.

Uma dessas pessoas é o Gustavo Azeredo, o Mineiro. Para falar a verdade nem sei bem como ele chegou até a mim, mas desde então, tem nos dado a maior força com a Volta ao Mundo.

Gustavo é um viajante irremediável. Viajou por 20 meses pelo Mundo, por 31 países e 141 cidades. Chegou há apenas 6 meses e em breve partirá para mais uma odisséia. Desta vez, viajará, durante quatro meses, por México, América Central e Flórida.

Durante sua Volta ao Mundo, Mineiro escreveu diários de viagem para amigos e familiares. Ele nos enviou seu relato de Cuba, país que mais o impressionou. Sou suspeita para falar, mas só de ler o texto já deu vontade de pegar um avião direto para a ilha, que já incluí na minha listinha que nunca acaba de próximos países.

Boa viagem!

Cuba por Gustavo Azeredo, o Mineiro

Entender e digerir Cuba é como ler Guimarães Rosa, é para ruminantes. Andar por Havana é uma viagem no tempo em meio a construções antigas e os famosos carros americanos da década de 50 circulam para todo lado. Diz-se haver em torno de 65 mil desses carros em Cuba, sendo que muitos deles estão em perfeito estado de conservação. Para se comprar um deles custa em torno de 10 mil dólares, mas não se pode tirá-los de Cuba, do contrário já não teria mais nenhum lá.

Carros da década de 50 circulam em Havana até hoje
Carros da década de 50 circulam em Havana até hoje

De longe, muitos de nós temos uma idéia formada de Cuba, que às vezes não passa nem perto da realidade. É um país que não se entende em uma viagem só, muito menos em 11 dias como foi o meu caso. Não obstante, tive muita sorte de conviver nesse curto período com uma variedade bem grande de pessoas e pontos de vista.

Alguns dados para deixar claro:

– Cuba é uma ditadura socialista (parece óbvio, mas ainda tem gente falando que é comunista).

– Os cubanos podem sim viajar para outro país, mas para isso necessitam de uma carta convite de alguém de fora de Cuba.
– A internet em Cuba ainda é por modem e telefone e é muuuuuito lenta. Custa caro ter uma licença para ter internet, mas muito cubano tem em casa. Quem aluga quarto oferece o serviço por 5 CUC (5 dólares) a hora.
– Che Guevara como já era de se imaginar é idolatrado em Cuba, existem faixas, cartazes e afins para todo lado com suas frases, e relatos dos seus feitos históricos.
– Xadrez é muito popular em Cuba e as pessoas jogam nas ruas a noite.
– Não existe pobreza como outros países e não ha pessoas vivendo nas ruas.

– O regime ainda é ditadura, embora algumas coisas estejam diferentes com o Raul Castro.

(da Wikipédia)

“(…)Cuba tem uma taxa de alfabetização de 99,8%,[6][7] uma taxa de mortalidade infantil inferior até mesmo à de alguns países desenvolvidos,[8] e uma expectativa de vida média de 77,64.[6] Em 2006, Cuba foi a única nação no mundo que recebeu a definição da WWF de desenvolvimento sustentável; ter uma pegada ecológica de menos de 1,8 hectares per capita e um Índice de Desenvolvimento Humano de mais de 0,8 em 2007.”

Estátua de Che Guevara, em Santa Clara
Estátua de Che Guevara, em Santa Clara

Bom, eu cheguei em Havana por volta das 20h30, o aeroporto é longe do centro e eu ainda não tinha nenhuma informação objetiva de como chegar ao hostel que eu havia reservado (único hostel em Havana).

Vi dois outros turistas na esteira para retirar a bagagem e fui puxar papo, já pensando em dividir o táxi até o centro.

Seus nomes eram: Ivan, um italiano de Nápoles e Vincent, neozelandês. Ambos bastante receptivos e gente finíssimas, ficamos conversando sobre o que seria Cuba, enquanto esperávamos pelas bagagens.

Depois de um tempo chegou a minha mochila e também a do Ivan, mas a mochila do Vincent extraviou, ficamos então tipo uma hora no aeroporto, até que ele desencanou, fez a queixa e pegamos o tal táxi.

Acabei não indo na para o hostel que havia reservado e segui junto com eles para uma casa particular que aluga quartos. Essa é uma maneira muito comum e barata de se hospedar em Cuba. As pessoas são autorizadas pelo governo a alugar quartos ou camas, como no caso do hostel e pagam uma taxa fixa ao governo que é de acordo com a quantidade de quartos ou camas alugados.

A moeda em Cuba funciona assim: existe o Peso Cubano e o CUC – Peso Cubano Convertível. Teoricamente, o CUC seria uma moeda para turistas enquanto o Peso Cubano para os cubanos, mas na pratica qualquer pessoa pode usar as 2 moedas e gastar a moeda que for mais conveniente na ocasião. Há alguns comércios que não podem trabalhar com Peso Cubano, e outros que não podem com CUC mas a maioria aceita os 2.

1 CUC vale 1 dólar americano e/ou 25 Pesos Cubanos.

Um profissional qualificado como um médico, professor universitário etc. tem em média um salário de 22 (vinte e dois) CUC por mês, o equivalente a 22 dólares e falarei disso mais abaixo.

Chegando à tal casa, havia uma cama disponível para mim, então fiquei por lá mesmo. Pagamos 10 dólares cada um pela noite, na casa de uma psicóloga de uns 55 anos.

Conversamos bastante com ela e foi legal já na primeira noite, ter uma visão de como são as coisas. Ela fez intercâmbio na Rússia, vive bem tranquila em Havana e está de acordo com o sistema que o país segue. Já o filho dela de 26 anos, que também estava lá, não está tão feliz assim com o sistema.

Passamos a noite toda conversando. Já bem tarde o rum acabou e fomos à rua comprar mais. Em plena madrugada tivemos uma impressão do que é a segurança em Cuba. O país é 99,7% seguro para turistas. Pude comprovar isso nos outros dias caminhando sozinho pelas outras cidades em plena madrugada, com minha câmera nas mãos tirando fotos pra todo lado.

O que faz esse país ser seguro para turistas? Cuba tinha um apoio enorme da ex União Soviética, que quando se dissolveu deixou o país meio na mão. Quem suporta o país hoje é o turismo, então a polícia é bem atuante e dura nesse sentido.

Se um cubano se envolver em uma briga ou qualquer confusão com um turista, ele vai ter problemas sérios, que podem até se estender à sua família. O que é um ponto fraco em minha opinião.

Para ilustrar, estávamos o italiano, o neozelandês e eu caminhando à noite e conhecemos uma alemã que namora um cubano. Estávamos conversando os 5 quando uma viatura parou, desceram 2 policiais, pegaram a identidade do cubano, ligaram pra central da polícia e passaram todos os dados dele. Depois falaram para ele: “temos todos os seus dados, se alguma coisa acontecer a qualquer um deles, nos iremos atrás de você”.

Essa situação é muito chata, faz com que muitos cubanos não falem com turistas. Alguns evitam contato com outras pessoas para não ter problemas e embora torne o país seguro para turistas, é muito opressor.

A despeito disso conversei com vários cubanos e cubanas em vários lugares e foi muito, muito interessante.

Um outro ponto negativo e bem latente em Cuba é a situação das mulheres. É muito grande o número de mulheres em Cuba que faz programa com turistas. Elas não são ”prostitutas profissionais” por assim dizer. Elas não fazem programas com Cubanos, só com turistas.

É uma maneira de ganhar dinheiro. Um programa gira em torno de 30 CUC. Lembre-se que um médico ganha 22 por mês.

Acontece muito de você estar em um bar e ser assediado por essas mulheres, que lá são chamadas de Gineteiras.

"No prostituicion, si sexo grátis"
“No prostituicion, si al sexo gratis”

Tirando as coisas ruins, só coisa boa.

Um beneficio totalmente grátis em Cuba é a saúde. Qualquer exame médico, por sofisticado e caro que possa ser, será feito no mesmo dia ou o mais rápido possível e sem nenhum custo para o paciente. Os remédios e todo o acompanhamento médico também saem de graça.

Cuba tem também um incentivo à educação muito forte, basicamente quem quiser fazer faculdade terá uma boa universidade para estudar e totalmente grátis. As opções de cultura também são inúmeras e muito baratas. Um cinema custa 2 Pesos Cubanos ou R$0,15 (quinze centavos de real). Teatro é o mesmo preço. Escola é grátis, faculdade grátis, etc. Esse benefício de estudo também se estende para estrangeiros, conheci umas mulheres do Uruguai estudando lá, e também alguns brasileiros, que foram parar lá através de contatos com o MST.

As uruguaias foram as que tive mais contato e elas me contaram bastante sobre o que é viver em Cuba e também a visão de quem vem de fora e mora lá.

Cuba é um pais muito fértil em música, vê-se muita gente na rua tocando muito bem vários instrumentos. Ouve-se vários estilos mas o ponto forte mesmo é a salsa, seguido pelo jazz.

Passei por praticamente todo o Caribe nessa viagem, e não vi ninguém tocar, muito menos dançar, salsa como os cubanos. Eles movem partes do corpo que eu nem sabia que eram desconectadas. As mulheres são bonitas e sensuais demais, dançando então, nossa senhora.

Lá você também vê que Buena Vista Social Club é muito bom mesmo, mas é apenas mais um, e que ha vários outros tão bons quanto ou até melhores.

Nos finais de semana à noite pela Malecon (avenida beira-mar) as pessoas param no calçadão e ficam por ali bebendo, conversando e tocando instrumentos, cantando, dançando e socializando. Vêem-se grupos que seguramente tem formação erudita tocando pelas ruas na maior alegria.

No geral os cubanos são bem alegres e se parecem muito com nós brasileiros. Despreocupados, festeiros, são bem curiosos a respeito do Brasil. Eles tem uma vida simples, tudo que é primeira necessidade é provido pelo governo, mas qualquer supérfluo é bastante difícil de se conseguir.

Passamos 3 dias pela capital conhecendo lugares e pessoas fantásticas. Mudamos de hospedagem para uma mais perto da Malecon e lá ficou mais fácil da gente se locomover. Um ônibus local custa R$0,05, mas a gente pegou uma vez só. Andamos bastante a pé pelas ruas de Havana.

Ônibus americano em Havana
Ônibus americano em Havana

A cidade é bonita e parece que está em ruínas, o que a deixa mais charmosa.

Havana
Prédios antigos dão charme a Havana

Nessa minha rápida viagem eu passei pelas cidades de:

Havana, capital, maior cidade, orla muito bonita, carros antigos para todo lado, muita cultura, festas e é o coração de Cuba. É de longe a mais importante, a mais bonita e a mais intensa. A cidade respira até hoje a revolução e as Casas de la Música são fantásticas com shows excepcionais. Sem falar na vista da Malecon, com as ondas invadindo a rua que é maravilhosa.

Malecon, orla de Havana
Malecon, orla de Havana

Matanzas, cidade interessante, tem muita coisa de folclore afro-cubano e é a porta de entrada para Varadero, considerada uma das praias mais bonitas do mundo.

Matanzas
Pôr do Sol em Matanzas

Santa Clara, o santuário de Che Guevara. Aí estão seus restos mortais, museus, além de ser uma cidade universitária bem interessante com vida noturna bem intensa voltada para atividades culturais.

Imagem de Che Guevara nas ruas de Santa Clara
Imagem de Che Guevara nas ruas de Santa Clara

Cienfuegos, cidade muito bonita e por lá se vê cubanos com bastante dinheiro. Vi uma marina com veleiros bem consideráveis com bandeirinha cubana. Tem iate clube, jockey, etc.

Cidade de Cienfuegos
Cidade de Cienfuegos

Em toda casa que fiquei hospedado tinha uma estrutura bem razoável; o quarto era suíte, tinha ventilador/ar condicionado e era bem limpo e seguro. Tinham internet disponível por  5 CUC a hora, tv LCD, etc.

Pelo que entendi, eles tem que seguir certos padrões de serviço. A casa tem um controle grande do governo e um adesivo na porta indicando que ela está credenciada a alugar quarto ou cama.

Pode se ver uma diferença enorme em Cuba entre pessoas que alugam quarto para estrangeiro e quem não aluga.

Quem aluga tem uma renda muito maior porque geralmente é 10, 12 dólares por pessoa por noite.

Imagino que paguem muito imposto sobre isso, mas certamente sobra muito mais dinheiro e se quem vive lá com 22 dólares ao mês consegue, pra quem aluga então deve ganhar umas 10 vezes isso.

Tem um lado não tão glamouroso nisso. Eu vi engenheiros que abandonaram o trabalho para ficar em casa alugando quarto.

Conheci também um neurocirurgião que dava aula na faculdade de medicina, mas abandonou e hoje vive de alugar quartos em sua casa.

Havia também outros e claramente não é saudável para um país quando muitas pessoas qualificadas abandonam suas profissões de origem em busca de uma outra mais rentável.

E a tendência é cada vez mais acontecer isso, vi mais pessoas arrumando suas casas, para se enquadrarem no perfil e poder alugar quartos para turistas e ganhar muito mais dinheiro.

Com o tempo pode acontecer das pessoas não mais se dedicarem ao estudo e em vez disso construirem mais quartos porque dá muito mais dinheiro.

Quando digo que ainda não digeri, é porque não sei o que pensar por exemplo a respeito de ser pobre no Brasil se é melhor. Pela liberdade sim, sem sombra de duvidas, e também pela possibilidade de se mudar de classe social. Mas uma pessoa pobre no Brasil que pensa em fazer faculdade de medicina por exemplo, vai penar e muito para pagar. Se precisar de um mega exame na saúde publica então, esquece, enquanto em Cuba se faz até transplante de graça.

Por outro lado, se um cubano quiser conhecer um outro país, ele não terá um impedimento legal mas em condições normais ele jamais terá dinheiro para comprar a passagem e se manter fora de Cuba.

Conversei com alguns cubanos mais jovens e o sonho deles é viajar, conhecer outros lugares e pela falta de dinheiro não é possível.

Por último, vou contar uma grande experiência que eu tive lá.

Caminhando pelas ruas de Havana um dia com o italiano e o neozelandês, notei uma mulher tentando passar por nós, eu dei passagem ela sorriu e agradeceu em inglês, caminhou mais 2 metros, olhou pra trás e sorriu de novo.

Ela foi simpática, então caminhei até ela e puxei papo. Conversamos um pouco em inglês e perguntei de onde ela era. Ela respondeu que era de Havana mesmo. À partir daí começamos a conversar em espanhol.

28 anos, mulher muito gente boa, simpática e é professora de filosofia na Universidad de Havana. Fomos conversando um pouco mas ela tinha que ir, então me deu o telefone para que combinássemos algo depois.

No dia seguinte liguei para ela e combinamos de encontrar perto da Universidade. De lá saímos conversando passando por toda a orla de Havana. Fomos a cafés e museus, igrejas e ela me contando bastante como era a vida em Cuba e o que ela ouvia dos alunos em suas aspirações.

No meio da conversa, ela me contou que o pai é diplomata e estava trabalhando no Quênia mas acabara de voltar para Cuba. Esse dia foi bem longo e proveitoso, aprendi um monte de coisa sobre Cuba, inclusive algumas coisas insider.

Seguindo a linha, um diplomata ganha em torno de 25 CUC por mês. Mas tem um monte de ajudas de custo e incentivos.

Ela pareceu ter mais dinheiro que a média, pude ver isso pelo celular Samsung Galaxy dela, e também pelo laptop Sony Vaio. Ela ainda fez mestrado na Alemanha e passeou por uns 2 ou 3 países pela Europa. Não entrei no detalhe de como fez isso não, mas tem famílias cubanas com dinheiro também, e a dela parece ser o caso.

Cuba foi de longe o lugar que mais me impressionou nessa viagem. Recomendo muitíssimo uma visita ao país, e que definitivamente se hospede nas casas de família, onde poderá conversar com a gente de lá e ter uma visão mais autêntica do país.
Hospedar-se em um hotel vai ser apenas mais do mesmo.

Sigo pensando a respeito, tentando digerir o que é o pais de verdade. Ainda vai levar um bom tempo, mas como todo lugar, tem muita gente que apoia o sistema fervorosamente e muita gente também que não suporta mais e tudo que quer é que o sistema mude, ou sair de lá.

Temo que nos próximos 7 anos venha a ter uma Hard Rock Café Havana e/ou Starbucks.

Tomara que não.


Encontros

A trilha sonora deste post é Encontros e Despedidas, de Milton Nascimento. Ouça e assista:

Toda jornada é um movimento em direção ao outro: o encontro é conatural ao viajar. O encontro com outras pessoas, com outras culturas, com outros ambientes, com outras paisagens: enfim, o encontro com a alteridade. Uma alteridade que pode apenas nos confirmar, fortalecendo por meio da afirmação de nossa (aparente) diferença nossas certezas, hábitos, conceitos e comportamentos, mas que pode também pôr-nos em jogo, provocar-nos, instigar-nos a sair (pelo menos em parte) de nossos reflexos, nossas maneiras usuais de ser, de pensar e de agir, enriquecendo nossa humanidade.

Esse abalo criativo só acontece, porém, quando ao deslocar-nos para outros lugares adotamos um espírito viajante, uma atitude de abertura receptiva para o mundo à nossa volta; quando suspendemos temporariamente (ou ao menos tentamos suspender) nossos julgamentos, nossos pressupostos (os dos quais temos consciência), nossas tendências – aparentemente espontâneas, mas que na verdade são um produto em constante (re)construção de nossa biografia e nossa interações – sensoriais, perceptivas, cognitivas e comportamentais.

Viajar é sempre uma oportunidade para encontros transformadores
Viajar é sempre uma oportunidade para encontros transformadores

Continuar lendo Encontros