Terraços de arroz de Banaue, Filipinas

Por duas vezes perdemos o ônibus para Banaue, onde ficam os famosos terraços de arroz filipinos. Por esta razão, tivemos que viajar para um outra cidade, Bontoc. Levamos um dia inteiro viajando de ônibus por cenários impossíveis de descrever. Subimos tanto as montanhas até alcançarmos as nuvens. E não é que tem gente que mora praticamente no céu. É impressionante a capacidade do ser humano de adaptação. Nas montanhas são esculpidas escadas para viabilizar, onde parecia improvável, a agricultura, que é a principal atividade da região.

Chegamos tarde demais em Bontoc e só pudemos seguir para Banaue na manhã seguinte. Com um dia de atraso, tínhamos apenas um dia para explorar os terraços, o que normalmente é feito em dois ou três dias.

Como estávamos apenas em dois, tivemos que subir de triciclo até um certo ponto e depois tivemos que seguir caminhando, 1 hora de subida e 1 hora de descida pelas montanhas até chegarmos aos terraços de arroz de Batad.

Montanhas de Banaue
Montanhas de Banaue

As plantações de arroz existem há 2 mil anos em Batad e formam uma linda paisagem que lembram pirâmides de um verde incomum. Toda a plantação é exclusivamente para abastecimento da própria vila, onde vivem 1.500 pessoas.

Na metade da trilha para os terraços. Batad está lá em baixo
Na metade da trilha para os terraços. Batad está lá em baixo

Continuar lendo Terraços de arroz de Banaue, Filipinas


Nas Filipinas me senti em casa

A nossa Volta ao Mundo começou de fato nas Filipinas. Pois, viajar por países desenvolvidos, como Inglaterra e Cingapura, por onde passamos antes, é muito fácil, afinal tudo funciona. Mas é nos países subdesenvolvidos ou em desenvolvimentos que nos aprimoramos na arte de viajar.

Em 18 dias no país, entre meados de abril e início de maio, viajamos de avião, barco, ônibus, van, jeepney (jeep customizado que serve de micro-ônibus) e triciclo. Não foi fácil, os transportes não saiam no horário; uma viagem que poderia durar 8 horas acabava em 11 horas; em uma das vezes o ônibus quebrou, em outra, tivemos que pedir carona e até ganhei um ´galo´ na cabeça de tanto sacolejar em um ônibus, enquanto tentava tirar um cochilo. Mas, mesmo com todas as dificuldades, nas Filipinas nos sentimos em casa.

Viajando de jeepney! Essa folga toda é só na hora que todo mundo desce para comprar comida!
Viajando de jeepney! Essa folga toda é só na hora que todo mundo desce para comprar comida!

Continuar lendo Nas Filipinas me senti em casa