No post, Chapada Diamantina pela primeira vez: roteiro para 5 dias, compartilhei nosso roteiro completo e prometi, depois, detalhar cada dia. Para começar, escolhemos fazer algo mais leve e próximo a Lençóis, que foi a cidade onde ficamos hospedados. Então, no nosso primeiro dia, fizemos: Rio Mucugezinho, Poço do Diabo, Morro do Pai Inácio e Pratinha. Lugares lindos e de fácil acesso.

Saímos por volta das 8h, e começamos pelo rio Mucugezinho e o Poço do Diabo, que ficam a 20 minutos de carro de Lençóis. Na entrada ficam uma loja de artesanato e restaurante.

Não é cobrada entrada, mas uma taxa de estacionamento de R$ 5 (que nem é obrigatória). A trilha é de nível fácil. Para chegar até o rio Mucugezinho não leva nem 5 minutos. Tem um poço pequeno e uma queda fraquinha, também tem um serviço de bar. Muita gente fica logo por ali.

Mucugezinho. Trilha para o Poço do Diabo.
Mucugezinho. Trilha para o Poço do Diabo.

Para quem quiser chegar até o Poço do Diabo, leva mais uns 10 ou 15 minutos, e tem que passar pelas pedras e fazer uma pequena subida e depois descida. Mas é também uma trilha fácil. O Poço do Diabo é bem maior e a queda d´água mais alta e mais forte. A paisagem lá do alto da cachoeira é muito bonita.

Poço do Diabo, visto do alto
Poço do Diabo, visto do alto

A água do poço é muito escura, por isso, não dá para ter noção da profundidade, mas é bem fundo. Para quem não sabe nadar, tem algumas pocinhas menores e rasinhas.

Poço do Diabo
Poço do Diabo

Depois do banho no Poço do Diabo, seguimos de carro por mais 7 minutos até chegar ao Morro do Pai Inácio. O Morro fica a 1.120 metros de altitude e é um dos mais altos da Chapada, o que proporciona um visual incrível do Parque Nacional. A trilha também é leve e dura, em média, 15 a 20 minutos, e é toda de subida. Na entrada, é cobrada uma taxa de R$ 6 por pessoa.

Vista do Morro do Pai Inácio
Vista do Morro do Pai Inácio

Não deixe de caminhar lá no alto para ver a paisagem em 360 graus. Para cada lado, você verá uma paisagem mais bonita do que a outra. Apesar de ter sempre muita gente, pois é um dos pontos mais visitados, é impossível não sentir uma paz neste lugar.

Muita gente deixa a visita ao Pai Inácio para o final do dia para apreciar o pôr do sol. Mas, como o dia estava nublado, preferimos ir logo e chegamos lá por volta das 11h.

Nós dois, no Morro do Pai Inácio
Nós dois, no Morro do Pai Inácio

Depois do Morro Pai Inácio, seguimos para a Fazenda Pratinha, que fica a 34 minutos de carro, incluindo um trecho de estrada de barro. Preste atenção na paisagem no caminho, que é espetacular.

Rio Pratinha
Rio Pratinha

A entrada na fazenda custa R$30 por pessoa e dá direito a ver a Gruta Pratinha e Gruta Azul, e a nadar no rio Pratinha. A Fazenda Pratinha tem toda uma estrutura com estacionamento, restaurantes, serviços de massagem. Como o acesso é bastante fácil e não é preciso fazer nenhuma trilha, é bastante visitada.

Gruta da Pratinha
Gruta da Pratinha

A Gruta e o rio Pratinha têm água cristalina, em tom turquesa. No rio, normalmente, fica muita gente tomando banho, tem pedalinho, caiaque e stand up paddle para alugar e também tirolesa. Na beira do rio, também tem estrutura de bar e restaurante, mesas e cadeiras.

Já para nadar na Gruta da Pratinha é preciso pagar mais R$ 40 de taxa de flutuação, que inclui colete, nadadeiras, máscara e snorkel e visita guiada de 30 minutos. Um dos cuidados que precisamos tomar no mergulho é de não pisar no chão da gruta, na parte rasa, que é formado por micro búzios.

Fizemos essa visita e dentro da gruta, lá dentro fica bem escuro, mas com as lanternas dá para ver as formações de calcário no teto e também uma pequena passagem que tem no fundo da gruta e que mergulhadores, especializados em  espeleomergulho, usam para chegar até a gruta azul (dá uma aflição!). A profundidade passa dos 15 metros. Depois da visita, dá para nadar um pouquinho na parte mais clara e rasa da gruta.

A gruta azul fica em outra parte da Fazenda Pratinha, a alguns metros de caminhada da entrada principal. Foi a única decepção do dia. Mesmo indo no horário recomendado pelos funcionários, que seria de melhor visibilidade, a gruta estava muito escura e não deu para ver o tom azul da água. Por ser muito funda, essa gruta não está aberta para nado, apenas mergulho de profissionais. Atenção, não confundir com o Poço Azul, que fica em outro município, e é, simplesmente, maravilhoso.

Fechamos o nosso primeiro dia com essas três visitas, que levaram o dia inteiro. Mas para quem tiver mais tempo e disposição, pode incluir a visita ainda à Gruta Lapa Doce ou à caverna Torrinha, que ficam próximas à Fazenda Pratinha.

Esse foi um primeiro dia lindo, não acham? Quem tiver mais dicas da Chapada Diamantina e dos lugares visitados, pode deixar aqui nos comentários! =)

Fizemos todo o roteiro no nosso carro, mas quem quiser alugar um carro na Chapada Diamantina, pode reservar por aqui com a RentalCars.com.

Reserve sua hospedagem na Chapada Diamantina

*O Compartilhe Viagens participa de um programa de afiliados do Booking.com, por meio do qual é possível reservar hotéis  com descontos e segurança e ainda ajudar ao blog se manter. Nós recebemos uma pequena comissão e você não paga nada mais por isso.

 

*Os valores são referentes a dezembro de 2016 e janeiro de 2017.

Quer viajar para a Bahia? Confira estas promoções que encontramos para você!

Comentários