Piranhas, no Oeste de Alagoas, divisa com Sergipe, é uma cidade muito charmosa, com seu centro histórico às margens do rio São Francisco e também cheia de história. Esteve nos Caminhos do Imperador, quando Dom Pedro II fez uma expedição pelo Rio São Francisco, em 1859, e também foi a cidade onde foram expostas as cabeças de Lampião, Maria Bonita e outros 9 cangaceiros logo após terem sido mortos. Hoje, Piranhas é uma cidade turística, cheia de opções de hospedagens, restaurantes, bares e museus. E foi a nossa escolha de cidade base para conhecermos os Cânions do São Francisco.

Centro histórico de Piranhas, Alagoas
Centro histórico de Piranhas, Alagoas

Piranhas fica a 291km de Maceió e 218km de Aracaju. Escolhemos nos hospedar em Piranhas, por ser a cidade mais próxima de onde partiria o nosso passeio de catamarã pelos Cânions do São Francisco, que fizemos com o Menestrel das Alagoas (Castanho Restaurante), partindo da Praia da Dulce, no município vizinho de Olho d´Água do Casado e também para fazermos, no dia seguinte, o passeio da Rota do Cangaço, que leva até o local onde Lampião e seu bando foram mortos.

Também logo que vi as fotos de Piranhas me encantei. O centro histórico de Piranhas e do distrito de Entremontes foram tombados pelo Patrimônio Histórico Nacional em 2004. Hoje, a maioria dos casarios funciona como pousadas, restaurantes, bares ou atrações turísticas.

Na antiga estação ferroviária, funciona, de quarta a domingo, das 8h às 17h (8h às 20h, na alta temporada), o Museu do Sertão, com entrada a R$ 2 (estudantes ainda pagam meia), que conta a história do Cangaço e da cultura sertaneja. No museu estão expostos alguns objetos que pertenceram a Lampião, algumas armas, um cantil e cartas.

Objetos de Lampião, no Museu do Sertão
Objetos de Lampião, no Museu do Sertão

Piranhas tem ainda várias igrejas (Nossa Senhora da Saúde, Nosso Senhor do Bonfim e Santo Antônio de Lisboa), monumentos (monumento ao Velho Chico, ao Padre Cícero) e mirantes com vistas para cidade e o rio. Se não quiser subir as centenas de degraus dos mirantes, uma opção é ir de carro até o mirante da CHESF, que fica próximo ao IFAL. Com o sol escaldante, essa foi a nossa escolha! =) A vista é belíssima!

Centro histórico de Piranhas e Velho Chico, vistos do Mirante da Chesf
Centro histórico de Piranhas e Velho Chico, vistos do Mirante da Chesf

Como a cidade fica em pleno sertão, o calor durante o dia é quase insuportável (o termômetro do carro chegou a marcar 43 graus), por isso, aproveite para fazer os passeios no rio, onde a sensação térmica é muito melhor. E deixe o fim da tarde e à noite para passear pela cidade. É à noite, aliás, que a cidade fica mais movimentada, quando os bares e restaurantes colocam as mesas nas calçadas e nas ruas, e alguns têm música ao vivo.

Palácio Dom Pedro II, Em Piranhas
Palácio Dom Pedro II, casa onde o imperador se hospedou, em Piranhas 

Na hora de escolher a hospedagem em Piranhas veja bem a localização, se fica no centro histórico ou de alguma forma próximo ao rio, pois a área da cidade é bem grande. Nós ficamos na Pousada Lampião Rio, que não fica no centro histórico, mas nas margens do Velho Chico. Foi ótimo para fazer o passeio da Rota do Cangaço, pois já saímos do píer da pousada, mas em compensação, só tínhamos como ir ao centro histórico de carro.

Reserve sua hospedagem em Piranhas, Alagoas

Uma ou duas noites em Piranhas acredito que são mais que suficientes para aproveitar os passeios da região e conhecer a cidade.


Comentários