Belo Horizonte é a principal porta de entrada para quem visita Minas Gerais, mas muita gente vê a cidade apenas como uma base para viajar por cidades históricas nos arredores ou alguns dos muitos parques naturais de Minas. No entanto, BH tem também muito a oferecer a turistas. E não estou falando só de boa comida e bebidas. =) A cidade, que foi uma das primeiras capitais planejadas do Brasil e hoje é um grande centro urbano com 2,5 milhões de habitantes, tem belas praças, parques urbanos e muitos museus, sem falar nos mercados, feirinhas e, claro, os botecos. Dois dias é o mínimo necessário para conhecer Belo Horizonte. Saiba o que fazer em, pelo menos, 2 dias em BH:

Dia 1

Praça da Liberdade
Praça da Liberdade

Praça da Liberdade

Um ótimo ponto de partida para conhecer Belo Horizonte é a Praça da Liberdade. Construída na época da fundação da cidade, entre 1895 a 1897, a praça teve seu projeto inspirado nos jardins do Palácio de Versalhes, na França, e na capital norte-americana, Washington, consideradas as cidades mais modernas da época.

A Praça foi, por muitos anos, o centro político do estado. A sede do governo do estado funcionava no Palácio da Liberdade e os demais prédios abrigavam as secretarias estaduais. Mas desde 2010 foi tudo transferido para a Cidade Administrativa. E, hoje em dia, os belos prédios funcionam como museus e espaços culturais, como o CCBB BH, o Memorial Minas Gerais, a Casa FIAT de Cultura, o Espaço do Conhecimento. São tantos museus que é preciso escolher os que pretende visitar e reservar uma manhã ou tarde inteira, pelo menos, para visitá-los. Todos têm entrada gratuita.

Memorial Minas Gerais, Praça da Liberdade
Memorial Minas Gerais, Praça da Liberdade

No entorno da praça também estão dois edifícios projetados por Oscar Niemeyer: o edifício Niemeyer e a Biblioteca Pública.

A Praça da Liberdade é também um dos lugares mais democráticos de BH, muito frequentada por turistas e belo-horizontinos de todas classes sociais, que costumam fazer caminhadas, passear, levar as crianças para brincar.

Principais museus da Praça da Liberdade:

Memorial Minas Gerais/Vale (exposição interativa sobre tradições históricas, culturais e artísticas do estado)

Horário: terça a sábado, das 10h às 17h30, quinta-feira, das 10h às 21h30; domingo, das 10h às 15h30

Entrada gratuita

www.memorialvale.com.br

Espaço do Conhecimento (ciências, arte e experimentação)

Horário: terça a domingo, das 10h às 17h (quinta até 21h)

Entrada gratuita

www.espacodoconhecimento.org.br

Centro Cultural Banco do Brasil (exposições, teatro, bar, restaurante e livraria Café com Letras)

Horário: segunda, a domingo, das 9h às 21h (fechado na terça-feira)

Entrada gratuita

www.culturabancodobrasil.com.br/portal/belo-horizonte

Exposição ComCiência, no CCBB
Exposição ComCiência, no CCBB

Casa Fiat de Cultura (mostras de arte, palestras e atividades educativas)

Horário: terça a sexta, das 10h às 21h; sábado, domingo e feriados, 10 h às 18h

Entrada gratuita

http://circuitoculturalliberdade.com.br/plus/

Depois da visita a Praça da Liberdade e seus museus, você pode lanchar, almoçar e visitar o famoso Mercado Central de BH, que fica a menos de 20 minutos de caminhada da praça.

Mercado Central

Doces no Mercado Central
Doces no Mercado Central

O Mercado Central tem 87 anos de tradição em BH e recebe 1,250 milhão de visitantes por mês, entre turistas e belo-horizontinos. São 400 bancas, que vendem queijos, doce de leite, cachaças, temperos, artesanatos. Só de pão de queijo são 40 bancas. É tão grande que pode facilmente levar uma tarde inteira de passeio. Não deixe de provar o sanduíche pão de queijo. =P

Endereço: Av. Augusto de Lima, 744 – Centro

Horário: Segunda a sábado, das 7h às 18h; domingo, das 7h às 13h

www.mercadocentral.com.br

Depois da tarde no mercado, você pode aproveitar o happy hour em um dos bares da famosa região da Savassi (é a Savassi e não o Savassi).

Savassi

BH é conhecida como a “Capital dos Botecos” e a região da Savassi é famosa por reunir muitos deles. Além dos bares e restaurantes, na Savassi tem também vários cafés e boates, por isso, é a melhor região de BH para curtir à noite.

Nesta região, durante o Encontro da RBBV, em novembro, nós fomos ao happy hour do Max Savassi, que acontece todas as quinta-feiras, na cobertura do hotel com música ao vivo, e também a Chopperia Albano´s, que tem duas unidades nos arredores da Savassi.

Lista de bares de BH: http://www.guiabh.com.br/agitos/bares

Dia 2

Conjunto Moderno da Pampulha

Museu de Arte da Pampulha
Museu de Arte da Pampulha

Em 2016, o principal cartão postal de BH, o Conjunto Moderno da Pampulha foi declarado Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO.

O Conjunto foi projetado por Oscar Niemeyer em 1940, a pedido de Juscelino Kubitschek, que na época era prefeito de BH e encomendou ao arquiteto um complexo de lazer às margens de um lago artificial recém-inaugurado.

O complexo reúne quatro edifícios (cinco, contando a Casa de Kubitschek) de arquitetura moderna com assinatura de Niemeyer e jardins de  Burle Marx:

Museu de Arte da Pampulha

Construído para funcionar como um cassino, foi o primeiro projeto do Conjunto da Pampulha. Durante os poucos anos de funcionamento, atraiu jogadores de todo o Brasil e recebeu shows de atrações nacionais e internacionais. Com a proibição dos jogos de azar no Brasil em 1946, o prédio ficou fechado por cerca de dez anos até ser reaberto em 1957 como Museu de Arte.

O MAP abriga um acervo de mais de 1.600 obras, modernistas e contemporâneas. Do lado externo, o Museu tem jardins de Burle Marx e três esculturas de Ceschiatti, Zamoyski e José Pedrosa.

As visitas ao museu são guiadas e podem ser agendadas pelo email map.arteeducacao@pbh.gov.br ou pelo telefone: (31) 3277-7953.

Endereço: Av. Dr Otacílio Negrão Lima, 16585

Horário: terça a domingo, das 9h às 18h30

Entrada gratuita

Casa do Baile

Em frente ao Museu de Arte, do outro lado da lagoa, fica a Casa Baile, que também faz parte do Conjunto da Pampulha. Inaugurada em 1943 foi concebida para ser um espaço de diversão para o povo, com a realização de bailes e shows. O edifício foi construído em uma pequena ilha artificial dentro da lagoa.

Depois de passar anos sem uso, desde 2002, a Casa Baile funciona como Centro de Referência e Urbanismo, Arquitetura e Design.

Endereço: Av. Otacílio Negrão de Lima, 751

Horário: terça a domingo, das 9h às 18h; quinta até às 21h

Entrada gratuita

Igreja de São Francisco de Assis

Igreja da Pampulha
Igreja da Pampulha

O edifício mais emblemático da Pampulha é a Igreja de São Francisco de Assis ou Igrejinha da Pampulha. Uma obra prima de Niemeyer que causou polêmica na época da construção, pois além de uma arquitetura completamente diferente para uma igreja da época tinha sido projetada por um ateu convicto. Por isso, a igreja só teve sua primeira celebração após 15 anos da inauguração.

Interior da Igreja de São Francisco de Assis
Interior da Igreja de São Francisco de Assis

Além dos traços marcantes de Niemeyer, a igreja da Pampulha tem painel de azulejos de Portinari. Se você tiver que escolher apenas um lugar no Conjunto da Pampulha, recomendo este!

Endereço: Avenida Otacílio Negrão de Lima, 3000

Horário: terça a sábado, das 9h às 17h; domingo, 11h às 14h. Missa aos domingos, 10h.

Entrada: Contribuição de R$ 3.

Iate Clube

Completando os quatro edifícios projetados por Niemeyer para o Conjunto Moderno da Pampulha está o Iate Clube, do seu projeto original, possui salões de festas e convenções, com destaque para o Salão Portinari com painel de Cândido Portinari.

Atualmente, o Iate Clube tem ainda quadras de vôlei, peteca e tênis, quatro piscinas e os salões de festas para uso dos associados.

É possível fazer visitas guiadas, sem necessário agendamento prévio. É preciso apresentar apenas documento de identidade.

Endereço: Avenida Otacílio Negrão de Lima, 1350 – Pampulha

Horário de Funcionamento: terça a domingo, das 9h às 17h

Visita gratuita

Casa de Kubitschek

Também em frente à Lagoa da Pampulha, e construída para ser a casa de fim de semana de Juscelino Kubitschek, funciona hoje como casa museu, mantendo o projeto original. O museu mostra, por meio da mobília e recursos audiovisuais, como era uma casa modernista entre os anos 1940 e 1960.

Endereço: Av. Otacílio Negrão de Lima, 4188.

Horário: terça a sábado, das 10h às 17h

Entrada gratuita

http://www.360meridianos.com/2016/08/casa-kubitschek-pampulha.html

Lembrando que a Lagoa da Pampulha tem 18km de perímetro e os prédios ficam distantes um do outro. Então, escolha um dos edifícios para começar a visita e de um local para outro, você pode ir de ônibus, táxi, Uber ou Cabify.

Se você é fã de futebol, pode incluir ainda a visita ao estádio do Mineirão, que fica nos arredores da lagoa.

Mineirão

Mineirão e Mineirinho, vistos da Lagoa da Pampulha
Mineirão e Mineirinho, vistos da Lagoa da Pampulha

O Estádio Mané Garrincha, ou Mineirão, como é mais conhecido, é o quinto maior estádio do Brasil e é a casa dos clássicos mineiros. Agora é mundialmente conhecido como o estádio do 7×1. =P O estádio abriga ainda o Museu Brasileiro de Futebol.

Endereço: Av. Coronel Oscar Paschoal, s/n, Portão G2

Visita guiada: terça a sexta, das 9h às 17h; domingo, 9h às 13h

Entrada: R$ 20/R$ 10 (meia). Somente em dinheiro.

http://estadiomineirao.com.br/museu-e-visita/

Praça do Papa e Mirante do Mangabeiras

Belo Horizonte vista do Mirante do Mangabeiras
Belo Horizonte vista do Mirante do Mangabeiras

Encerre o seu segundo dia em BH em um dos mirantes da cidade para entender porque foi chamada de Belo Horizonte. Como ficam próximos um do outro, se você tiver tempo, pode fazer uma parada na Praça do Papa, que recebeu esse nome depois da realização da missa campal pelo Papa João Paulo II em 1990, e depois ver o pôr do sol no Mirante do Mangabeiras, que fica mais alto do que a praça e tem uma vista ainda mais completa da cidade.

Se tiver mais tempo, pode aproveitar a tarde no Parque das Mangabeiras, que fica no entorno da Praça do Papa e do Mirante do Mangabeiras. O parque, que fica na Serra do Curral, tem 2,3 milhões de metros quadrados e foi projetado por Burle Marx. O parque tem quiosques, quadras de esportes, brinquedos e arenas para shows e teatros, além de trilhas.

Mirante do Mangabeiras:

Endereço: Rua Pedro José Pardo, 1000 – Mangabeiras

Horário: das 10h às 22h

Parque das Mangabeiras

Horário: terça a domingo, das 8h às 18h (entrada até às 17h)

Entrada gratuita. Paga-se para entrar com veículos.

Se estiver em BH em um domingo, outro programa imperdível é visitar a famosa Feira Hippie (Feira de Artesanato da av Afonso Pena), que acontece apenas aos domingos, das 6h às 14h. Na feirinha tem barraquinhas de quase tudo: artesanato, móveis, bolsas e calçados, comidas.

Reserve sua hospedagem em Belo Horizonte

Para quem tem mais tempo, a visita a BH pode ser combinada com outros destinos de Minas:

Topo do Mundo

Vista do Topo do Mundo
Vista do Topo do Mundo

Para quem estiver de carro, recomendo também a visita ao restaurante Topo do Mundo, que fica a 35km de BH, no município de Brumadinho (onde fica também o Inhotim). O restaurante fica a 1.450 metros de altitude, no alto da Serra da Moeda. A paisagem lá é incrível! Ao lado tem também um ponto de voo livre de parapente e asa delta.

www.topodomundo.com

Horário: quarta a sábado, das 12h à 1h; domingo e feriados, 12h às 19h

Ouro Preto e Mariana:

Estrada Real: Ouro Preto e Mariana em 1 dia

Inhotim:

Inhotim: natureza e arte em um lugar único

Tiradentes, São João del Rei e Congonhas:

Viagem de carro pelas cidades históricas de Minas: Tiradentes, São João del Rei e Congonhas

* Nós visitamos Belo Horizonte durante o ERBBV – Encontro da Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem, em novembro de 2016, e fizemos city tour a convite da Belotur.

Leia também blogs de blogueiros residentes em BH:

Nerds Viajantes

360 Meridianos

Andar Comigo

Viaggiando


Comentários